69º Leilão de Biodiesel da ANP negocia 1,061 bilhão de litros

No 69º Leilão de Biodiesel da ANP (L69), os distribuidores de combustíveis líquidos arremataram 1,061 bilhão de litros de biodiesel dos produtores de biodiesel, para atendimento às misturas obrigatória e voluntária. 

O preço médio de negociação foi de R$ 3,075/L, sem considerar a margem da adquirente, e o valor total negociado atingiu o patamar de R$ 3,264 bilhões, refletindo num deságio médio de 5,99% quando comparado com a média ponderada dos “Preços Máximos de Referência” regionais (R$ 3,271/L). 

A apresentação das ofertas de biodiesel ocorreu em um único dia (07/10), com 39 produtores disponibilizando um volume total de 1,145 bilhão de litros, sendo 97,56% de produtores detentores do selo Combustível Social. 

No primeiro dia de seleção de ofertas (09/10), os distribuidores de combustíveis arremataram 1,037 bilhão de litros de biodiesel de produtores detentores do selo Combustível Social.

No segundo dia de seleção das ofertas (10/10), foram arrematados 23,9 milhões de litros de biodiesel de produtores detentores ou não de selo Combustível Social. 

Os Leilões de Biodiesel destinam-se a atender o disposto na Lei nº 13.263, publicada no DOU em 24/03/16, que estabelece em 11% o percentual mínimo obrigatório de adição de biodiesel ao óleo diesel vendido ao consumidor final (B11). 

Ressalta-se que o 69º Leilão visa garantir o abastecimento de biodiesel no mercado nacional durante o período de 1º de novembro a 31 de dezembro de 2019, conforme os critérios estabelecidos no Edital de Leilão Público nº 006/19-ANP. Os volumes comercializados no leilão somente serão validados após homologação pela Diretoria Colegiada da ANP.

Fonte: ANP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo tem pior semana desde março, com WTI abaixo de US$ 90

Os touros do petróleo costumavam sorrir para o mercado de trabalho dos EUA com orgulho. Agora, eles não têm mais tanta certeza se deveriam.

Medos de recessão tomam conta dos mercados de petróleo

Os preços do petróleo estão de volta aos níveis em que estavam antes de a Rússia invadir a Ucrânia, destacando que uma recessão global e a destruição da demanda são agora o foco central dos comerciantes.

Petróleo cai cerca de 7% na semana e preço negociado volta a ser o mesmo de fevereiro

Brent e WTI operam em alta moderada, rompendo o fechamento negativo de dois pregões consecutivos. Mas a recuperação de hoje, no patamar de 1% para ambas as referências, não chega perto do acumulado de perdas da semana, que somam cerca de 7%.