A diferença entre Preço & Reajuste

Precisamos entender que o estopim da atual discussão dos preços dos combustíveis no Brasil foi causada pelos REAJUSTES de quedas aplicados pela Petrobras que não se refletiram sobre os preços dos postos ao consumidor final. Então precisamos definir:

REAJUSTE: É a variação em R$/L dos custos que compõe o preço final.

PREÇO: A composição total de custos e variáveis que formam o preço final em R$/L.

Definido isso, o problema dos combustíveis de imediato diz respeito ao REAJUSTE, que ocorreu da Petrobras (Refinarias) para as distribuidoras (logísticas) e parou por aí.

Abaixo temos o comparativo da variação dos preços da GASOLINA nas bombas dos postos em comparação com o preço praticado de venda das distribuidoras a estes postos por UF.

Segundo fonte de dados da ANP, ESALQ, CONFAZ e PETROBRAS para o estado de SP no mês de Jan/20 a variação de Refinaria, Etanol Anidro e PMPF acumulou REAJUSTE total de queda de R$ (-) 0,0515/L, que variaram sim nos custos das distribuidoras, mas não foram repassados

Na região Sudeste as distribuidoras aumentaram o custo de venda aos postos em R$ (+) 0,0420/L obrigando os postos a repassarem um aumento de R$ (+) 0,0580/L.

Por: Bruno Valêncio
Diretor Fundador
Valêncio Consultoria Combustíveis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.