A maior mineradora do mundo, a BHP, desiste do petróleo em megadeal com a Woodside

A BHP está descarregando seus ativos de petróleo e gás em uma fusão total de sua divisão de petróleo com a Woodside, que criará uma das dez maiores empresas independentes de energia do mundo por produção.

A BHP, a maior mineradora do mundo, anunciou na terça-feira o mega negócio que combinará os portfólios de petróleo e gás da BHP e da Woodside para criar a maior empresa de energia listada na bolsa de valores australiana, ASX.

O negócio verá a fusão dos negócios de petróleo e gás da BHP com a Woodside, e a Woodside emitirá novas ações a serem distribuídas aos acionistas da BHP. A Woodside expandida seria de propriedade de 52% dos acionistas existentes da Woodside e 48% dos acionistas existentes da BHP.

“A empresa combinada terá um portfólio de petróleo de alta margem, ativos de GNL de longa vida e resiliência financeira para ajudar a fornecer a energia necessária para o crescimento e desenvolvimento global durante a transição energética”, disse BHP.

“A fusão da Woodside com os negócios de petróleo e gás da BHP proporciona um balanço patrimonial mais forte, maior fluxo de caixa e força financeira duradoura para financiar desenvolvimentos planejados no curto prazo e novas fontes de energia no futuro”, disse Woodside em seu comunicado .

Juntamente com a fusão de seus negócios de petróleo, a BHP anunciou hoje US $ 5,7 bilhões (C $ 7,5 bilhões) em despesas de capital para o projeto de potássio Jansen Estágio 1 na província de Saskatchewan, Canadá.

O projeto Jansen “está alinhado com a estratégia da BHP de aumentar nossa exposição a commodities voltadas para o futuro em ativos de classe mundial, que são grandes, de baixo custo e expansíveis”, de acordo com o presidente-executivo da BHP, Mike Henry.

“O mundo precisará de mais cobre e níquel para eletrificação, energia renovável e veículos elétricos, minério de ferro e carvão metalúrgico de alta qualidade para produzir aço para infraestrutura, incluindo o necessário para descarbonização, e o potássio necessário para a produção global sustentável de alimentos”. Henry disse em um comunicado separado sobre as mudanças no portfólio da empresa e estrutura corporativa.

Após os anúncios, as ações da BHP ( LON: BHP ) em Londres subiram 7 por cento logo após o meio-dia, horário local, na terça-feira.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).