A Petrobras foi aplaudida ao anunciar a venda de oito das treze refinarias que possui. (Foto: Sérgio Lima/Poder360)

No mês passado a Petrobras foi aplaudida ao definir o conjunto de refinarias do seu plano de desinvestimento. A companhia anunciou a venda de oito das treze refinarias que possui, responsáveis por 48% da capacidade de refino nacional – 1,1 milhão de barris por dia. A animação pela venda das refinarias é justificada pela possibilidade de atrair novos players para o mercado brasileiro, o que aumenta a competitividade e poderá reduzir o preço final aos consumidores. No entanto, é preciso deixar uma questão clara: a legislação nacional desde 1997 sempre possibilitou a entrada de outras empresas no refino.

A Lei nº 9.748/1997 definiu que qualquer empresa, ou consórcio de empresas, pode submeter à ANP uma proposta para a construção e operação de refinarias, bem como para a ampliação de sua capacidade. No entanto, das atuais 17 refinarias nacionais, 13 são da Petrobras, o que representa 98% da capacidade de refino. Mas por que o monopólio do refino se mantém, mesmo após mais de 20 anos de abertura legal do mercado? A explicação reside no histórico de intervenções governamentais no setor, mesmo sem barreiras legais, tecnológicas ou financeiras à entrada.

De maneira recorrente, todos os governos interviram no preço dos combustíveis. A conta petróleo, metodologia sem transparência criada nos governos militares quando a Petrobras ainda não tinha acionistas privados, é um exemplo. Já no governo Fernando Henrique Cardoso houve intervenção no preço dos combustíveis, a fim de diminuir o custo do gás de cozinha na campanha presidencial de 2002. Recentemente, subsídios à gasolina e ao diesel foram adotados pelos governos do Partido dos Trabalhadores, principalmente na gestão Dilma Rousseff.

O grande problema está no risco regulatório e político que se impõe ao negócio. Basta ver como o valor da Petrobras é afetado a cada evento político que ocorre no país. Em maio de 2017, as ações preferenciais da estatal caíram 15,7%, após denúncias de Joesley Batista, um dos donos da JBS. O empresário entregou à Procuradoria Geral da República (PGR) uma gravação entre ele e o ex-presidente, Michel Temer, sobre a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, preso na Operação Lava Jato.

Um ano depois, as ações preferenciais da Petrobras caíram cerca de 14,6%, em reação à greve dos caminhoneiros. Agora em 2019 as ações da empresa tiveram nova queda, de 8,5% nas ordinárias e 7,8% nas preferenciais, em resposta à intervenção do presidente Jair Bolsonaro no reajuste do preço do diesel. Nesse último caso, mais uma vez, o governo tinha a intenção de evitar uma nova greve dos caminhoneiros.

A relevância do tema fez o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) publicar a Resolução nº 9, de 9 de maio. A resolução recomenda a adoção de diretrizes para viabilizar a competição. Diretrizes chamando a atenção para a verticalização e para a venda da infraestrutura em torno das refinarias que poderiam ser vendidas não necessariamente em conjunto com as refinarias.

As refinarias anunciadas como parte do plano de desinvestimento representam 49% da capacidade de refino da Petrobras, ou seja, 51% será mantido sob controle da empresa. Os principais ativos excluídos da oferta estão localizados perto dos mercados consumidores mais significativos do país: São Paulo e Rio de Janeiro. Ou seja, os ativos de maior atratividade não estão sendo ofertados.

O plano da companhia de reter as refinarias na principal região econômica do país também poderia gerar um conflito com o órgão antitruste, o Cade, que já abriu um inquérito contra a estatal para apurar um suposto abuso de posição dominante no mercado nacional de refino. Portanto, seja qual for o modelo usado para a venda pela Petrobras, o Cade terá que analisar.

Os desinvestimentos no refino ajudarão a Petrobras a sustentar suas finanças e poderão blindar a empresa de intervenções do governo nos preços dos derivados. No entanto, o segmento é permeado de risco regulatório e político, o que afasta o investidor privado. Para mudar esse cenário, é preciso eliminar a permanente perspectiva de ingerência política sobre o preço dos combustíveis.

Para isso é fundamental que se altere a politica tributária tanto em relação ao segmento de refino quanto aos combustíveis. No refino é preciso rever a legislação onde as refinarias exercem o papel de substituta tributária. Num momento de privatização das refinarias é preciso estar atento para alterar essa politica. A sugestão é de que as refinarias sejam substitutas tributárias somente dos barris de petróleo que elas processam e não das correntes utilizadas para produzir derivados. A ideia é evitar incentivo à sonegação. Em relação aos derivados seria importante criar um Fundo de Estabilização do preço do diesel usando as receitas extras dos royalties. Ou criar um imposto flex que seria alto quando o barril estiver com preço baixo e baixo quando o barril estiver alto.

(Fonte: Poder360)

Total
10
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VOCÊ PODE GOSTAR

Venda direta de etanol aos postos tem consenso no governo, diz ministra

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que estão avançados os estudos…

Preço do óleo diesel passará a ter reajustes quinzenais, diz Petrobras

A Petrobras anunciou nesta terça (26) mudanças em sua política de preços…

Distribuidoras são investigadas por cartel de preço.

Segundo denúncia do MP, as três grandes redes distribuidoras de combustíveis integram um cartel que majora os preços dos derivados de petróleo e lesam o cliente

ANP informa ao CADE manipulação de preços no mercado de combustíveis

09/04/2019 – A Agência Nacional do Petróleo (ANP) encaminhou para o Conselho…