Foto: Divulgação

(Bloomberg) — A Opep+ conseguiu resolver uma disputa interna e agora planeja aumentar a oferta em 400 mil barris por dia mensalmente a partir de agosto até que toda a produção retirada do mercado seja reativada. O acordo foi impulsionado pelos Emirados Árabes Unidos, que buscavam melhores termos de produção.

Em entrevista à Bloomberg TV, Ed Morse, chefe global de pesquisa de commodities do Citigroup, disse que o mercado está muito apertado e que um aumento de oferta de 400 mil barris por dia terá pouco impacto.

A demanda está significativamente mais alta, apesar do avanço da pandemia de Covid-19 em alguns países, e os preços do petróleo devem subir muito mais quando o verão no hemisfério norte terminar, disse.

Para Vandana Hari, fundadora da Vanda Insights em Singapura, o acordo prova que a Opep+ não está apenas intacta, mas também disposta a administrar a reposição da produção de forma gradual para evitar o risco de excesso de oferta.

O não cumprimento das cotas deve continuar sendo um obstáculo para a aliança, especialmente quando os membros se cansarem das restrições à medida que os mercados exijam mais petróleo, acrescentou.

Impacto da delta

O Goldman Sachs disse que o acordo apoia sua visão construtiva sobre o petróleo, enquanto alerta que os preços podem oscilar no curto prazo em meio à preocupação com a variante delta, disseram analistas como Damien Courvalin em relatório. Na avaliação do Goldman, o aumento planejado da produção é moderado e o déficit deve se manter.

O foco agora se voltará para a demanda, já que as incertezas imediatas sobre a oferta desapareceram, disse Will Sungchil Yun, analista sênior de commodities da VI Investment, em Seul.

O acordo foi fechado sob a suposição de que a pandemia estará sob controle até o ano que vem, mas a variante delta, de rápida propagação, pode continuar a impactar os mercados de petróleo por algum tempo, acrescentou.

O pacto provavelmente pressionará os preços no curto prazo, à medida que os investidores desfazem posições diante da perspectiva de maior oferta, disse Daniel Hynes, estrategista sênior de commodities no Australia & New Zealand Banking. Mas ele destaca que o mercado ainda está relativamente apertado e a onda de vendas deve durar pouco, acrescentou.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo sobem com navio encalhado no Canal de Suez, mas lockdowns pesam

Os preços do petróleo subiam nesta quarta-feira, depois que um navio encalhou no Canal de Suez, o que gerou preocupações sobre a oferta, embora temores de uma lenta recuperação na demanda devido a “lockdowns” na Europa tenham limitado os ganhos.

Preços do petróleo tocam máxima de 11 meses após queda em estoques dos EUA

Os preços do petróleo atingiram máximas de 11 meses nesta quarta-feira, impulsionados por uma redução nos estoques da commodity e de gasolina nos Estados Unidos.

Petrobras tem alta de 6,3% em vendas de diesel em outubro, com recorde em S-10

As vendas totais de diesel pela Petrobras (PETR4) em outubro somaram cerca…