A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta (13) a resolução que trata da especificação do diesel verde, combustível produzido a partir de fontes renováveis.

De acordo com o texto, diesel verde fica definido como “biocombustível composto por hidrocarbonetos parafínicos destinado a veículos dotados de motores do ciclo Diesel” e produzido a partir das seguintes rotas:

  • I – hidrotratamento de óleo vegetal e animal;
  • II – gás de síntese proveniente de biomassa;
  • III – fermentação do caldo de cana-de-açúcar; e
  • IV – oligomerização de álcool elico (etanol) ou isobulico (isobutanol).

A especificação passou por consulta pública em setembro do ano passado e dividiu produtores de biodiesel, setor de distribuição e refino.

Para representantes de distribuidoras e empresas de petróleo, o diesel verde poderia ser considerado um tipo de biodiesel, e entrar no mandato do biocombustível com o diesel fóssil.

Já os produtores de biodiesel se manifestaram contra tal possibilidade, defendendo a diferenciação dos dois biocombustíveis.

A definição do novo combustível pela ANP acompanha a visão dos produtores e traz a diferenciação, por entender que são “biocombustíveis quimicamente distintos”, explicou Lorena Souza, especialista em Regulação na ANP, durante apresentação na reunião pública da diretoria da agência.

Ela destacou ainda que a definição adotada segue referências científicas e internacionais.

A consulta pública recebeu 242 sugestões. Desse total, 26 foram incorporadas totalmente e 60 parcialmente.

Uma das sugestões incorporadas totalmente vem do setor automotivo, para previsão do uso de diesel verde em outras aplicações, além da rodoviária.

A ANP também retirou da resolução um artigo que tratava de regras de mistura de diesel verde, atendendo a uma sugestão das distribuidoras, por entender que a definição de misturas caberá ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Resolução exclui coprocessamento

A ANP descartou ainda uma sugestão da Petrobras, distribuidoras e setor automotivo de inclusão do diesel de petróleo, coprocessado com 5% de óleo vegetal na definição de diesel verde.

A demanda visava incluir a rota Hbio, patenteada pela Petrobras.

Segundo a agência, o diesel coprocessado não pode ser considerado verde porque não tem origem em matéria-prima exclusivamente renovável. Isso porque o produto resultante do Hbio seria composto por 96% fóssil e apenas 4% renovável.

Fonte: epbr

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Moagem de cana cai mais de 30% no início da safra 2021/22 do centro-sul, diz Unica

As usinas da região centro-sul do Brasil começaram a moagem de cana mais tarde na safra 2021/22, marcando uma queda de mais de 30% na primeira quinzena de abril ante o mesmo período da temporada passada, à medida que o longo período de seca no ano anterior afetou o desenvolvimento do canavial, informou nesta terça-feira a associação Unica.

ANP deve regulamentar venda direta de etanol até outubro, diz ministro

Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou em 4 de junho uma resolução com diretrizes para essas vendas diretas.

Cade determina investigação de irregularidades em preços de combustíveis

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) instaurou inquérito administrativo nesta sexta (19) para investigar possíveis irregularidades na formação de preço do mercado de revenda de combustíveis e determinou um monitoramento em postos de todos os estados.