(Imagem: REUTERS/Sergio Moraes)

Apesar de ter publicado em março o que acreditava serem as metas individuais definitivas das distribuidoras para 2021 no âmbito do programa RenovaBio, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) precisou rever seus números. Em uma nova resolução, divulgada hoje, 21, no Diário Oficial da União, a ANP diminuiu a meta total em 174 créditos de descarbonização (CBios).

Segundo o documento, a medida foi motivada pela Resolução ANP nº 843, de 21 de maio de 2021. O texto estabelece que os CBios retirados do mercado por investidores sem metas a cumprir no RenovaBio serão descontados das obrigações atribuídas às comercializadoras de combustíveis fósseis. O processo que impede novas comercializações de um crédito e o contabiliza para o cumprimento das metas é chamado de aposentadoria.

Ainda assim, o volume de CBios que deve ser entregue até 31 de dezembro segue superior ao objetivo estabelecido pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para o ano, de 24,86 milhões de unidades. Isso acontece porque a nova medida descontou apenas 174 títulos; ao mesmo tempo, o número de CBios pendentes, relativos às metas de 2019 e 2020, é de 326,9 mil CBios. No total, as distribuidoras que atuaram com a venda de combustíveis fósseis no ano passado devem aposentar 25,22 milhões de créditos.

renovabio metas 210721 block

Como o cálculo das metas individuais é realizado pela participação de mercado de cada distribuidora, as principais beneficiadas pela redução da meta foram justamente as companhias com os maiores objetivos a cumprir. No caso da BR Distribuidora, a redução foi de 46 CBios; para a Ipiranga, de 34; e, para a Raízen, de 31. Ainda assim, em todos os casos, a variação foi menor que 0,001%.

Juntas, estas três companhias precisarão aposentar 15,65 milhões de CBios até 31 de dezembro. O valor é equivalente a 63% da meta anual do RenovaBio.

Cada CBio corresponde a uma tonelada equivalente de dióxido de carbono (CO2) que teve sua emissão minimizada na comparação entre o processo produtivo e de distribuição de um combustível fóssil e um renovável.

Renata Bossle – NovaCana

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Combustíveis em alta: Etanol volta a subir e gasolina tem oitavo aumento consecutivo

Após duas semanas de pequenas retrações nos preços do etanol nos postos, os custos voltaram ao ciclo de alta para os consumidores. No caso da gasolina, houve o oitavo aumento consecutivo.

Ticket Log: preço da gasolina começa segunda metade do ano próximo de R$ 6,00

O preço médio da gasolina avançou 1,44% no País nas primeiras semanas de julho, na comparação com o fechamento de junho, de acordo com o último Índice de Preços Ticket Log (IPTL). Comercializado a R$ 5,956, o combustível registra médias acima de R$ 6,00 em 13 estados. O etanol, por sua vez, se manteve estável, com aumento de 0,02% e valor médio de R$ 5,033 por litro.

Combustível pelo delivery pode sair mais barato que nos postos; entenda

Aplicativo de abastecimento GOfit foi apresentado durante evento de vela oceânica, em Ilhabela

Gasolina segue mais vantajosa que o etanol em todos os estados

O preço médio do etanol ficou praticamente estável na última semana no varejo brasileiro. Já a gasolina ficou um pouco mais cara. Mesmo assim, o etanol segue sem competitividade ante a gasolina, que está com preço mais vantajoso em todos os estados pela segunda semana consecutiva.