ANP informa ao CADE manipulação de preços no mercado de combustíveis

09/04/2019 – A Agência Nacional do Petróleo (ANP) encaminhou para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) duas notas técnicas em que aponta a concentração de mercado no setor de combustíveis e preços elevados.

Na primeira, a ANP discorre sobre o preço. Em um dos trechos diz: “No caso do segmento da distribuição, a margem bruta ultrapassou os R$ 0,40/litro no período em que houve a maior redução de preços da Petrobras, o que sugere, em uma primeira análise, a falta de competição no setor, o que gera a apropriação pelas distribuidoras de parte significativa dos descontos praticados pela empresa”.

Na segunda nota do órgão regulador, o assunto é a falta de competitividade, ocasionada, entre outros aspectos, pela política de fidelização dos postos às bandeiras de distribuidoras.

A conclusão da nota é:

“O segmento de distribuição de combustíveis da cadeia de abastecimento tem se tornado cada vez mais concentrado”.

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) também destaca a necessidade de que o Cade continue a acompanhar a questão dos preços praticados em razão da concentração do mercado.

Alta A Petrobras anunciou, na quinta-feira, 4, aumento do preço médio da gasolina em suas refinarias em 5,6% – maior valor desde 30 de outubro do ano passado. A alta do preço do combustível nas refinarias é de 28,3% no acumulado de 2019, conforme dados da estatal.

Fonte: Fecombustíveis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.