ANP retoma ritmo pré-pandemia na fiscalização de combustíveis

O balanço mostra que – de janeiro a junho de 2021 – houve 9.064 ações de fiscalização, resultando em 1.798 autos de infração

Agência Brasil – A fiscalização do mercado de combustíveis no Brasil pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) retomou o ritmo pré-pandemia no primeiro semestre de 2021. Segundo a agência informou hoje (11), no Rio de Janeiro, houve 19% mais ações de fiscalização nos primeiros seis meses deste ano na comparação com 2020. 

O balanço mostra que – de janeiro a junho de 2021 – houve 9.064 ações de fiscalização, resultando em 1.798 autos de infração. O número de estabelecimentos interditados chegou a 300.

Cada auto de infração pode conter mais de um fato infracional, explicou a ANP, acrescentando que o total de infrações foi de 2.656. Dessas, as mais comuns foram o não cumprimento de notificação para o atendimento de determinação da agência, venda de combustível fora dos padrões de qualidade e a não apresentação de autorização de funcionamento.

Sudeste lidera fiscalização

A maior parte das ações de fiscalização foi realizada na Região Sudeste, onde se concentra o maior número de agentes econômicos do mercado de combustíveis. São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo receberam 4.809 ações desse tipo.

Na Região Nordeste, foram 1.532, na Região Sul, 1.600, na Região Centro-Oeste, 766, e na Região Norte, 357.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).