Matéria passou a trancar a pauta do Senado Imagem: MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO

Em mensagem enviada ao Congresso e publicado nesta terça-feira (27) em edição extra do Diário Oficial da União, o presidente Jair Bolsonaro pediu que seja cancelado o pedido de urgência para a tramitação do projeto de lei que cria a BR do Mar.

A decisão teve duas razões. A matéria passou a trancar a pauta do Senado desde a última sexta-feira (23), mas, com a medida, o governo também atendeu a uma demanda dos caminhoneiros – que quer tentar incluir emendas (modificações) no texto.

Os caminhoneiros reclamam que o projeto afeta os motoristas que fazem viagens de longa distância, que seriam substituídos pelos navios. Eles também temem que grupos econômicos estrangeiros acabem dominando não só o transporte marítimo, mas também os fretes terrestres.

O presidente da Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores), Wallace Landim (Chorão), teve um encontro na semana passada com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e reiterou o pedido para que a matéria não tramitasse em regime de urgência.

“Apresentamos a nossa preocupação sobre o Projeto de Lei nº 4.199/2020, reiterando o pedido da retirada da urgência constitucional, para que possamos discuti-lo no Senado Federal um texto que atenda aos interesses da nossa categoria”, afirmou, em nota.

À coluna, Chorão disse que a categoria vê a retirada de urgência como uma sinalização positiva para que eles possam conseguir uma maior proteção. “Nós não somos contra o projeto, mas o texto original está entregando a matriz rodoviária para os estrangeiros”, disse.

Os caminhoneiros querem incluir no texto a proibição de que seja contratado transporte terrestre, “seja no trajeto até o porto ou do porto até o cliente final, por armadores marítimos, empresas de cabotagem, empresas brasileiras de navegação e outras empresas”.

Fonte: UOL

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petrobras confirma aumentos de 4% na gasolina e de 2% no diesel a partir de amanhã

Informação foi antecipada com exclusividade pelo Valor na manhã desta quarta-feira, até então ainda sem confirmação da empresa

Perdas do petróleo sinalizam que mercado subiu muito rápido

Para os que vinham acompanhando os indicadores técnicos do petróleo neste mês, a mensagem era clara: os preços haviam subido rápido demais.

Governo federal quer “congelar” base de cálculo do ICMS do diesel por três meses

O governo federal propôs aos estados que a base de cálculo do ICMS do diesel seja alterada apenas uma vez a cada três meses – e não mais a cada 15 dias, como é hoje.