Após fala de Bolsonaro, Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Petrobras (Foto: Mario Tama/Getty Images)

A Petrobras (PETR3;PETR4) informou, em esclarecimento sobre recentes notícias envolvendo a companhia, que “não há definição” quanto à implementação e o montante de participação em eventuais programas e que qualquer decisão estará “sujeita à governança de aprovação e em conformidade com as políticas internas da companhia”.

Em entrevista ao Programa do Ratinho, no SBT, na noite de sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a estatal tem uma reserva de R$ 3 bilhões para custear o vale-gás a população carente. “O (Joaquim) Silva e Luna está com uma reserva de R$ 3 bilhões para atender realmente esses mais necessitados. Seria o equivalente – o que está sendo estudado até agora – a um botijão de gás a cada dois meses”, afirmou.

A petrolífera afirma ainda que já distribuiu R$ 10,3 bilhões em dividendos ao longo de 2021. Desse montante, acrescenta a companhia, R$ 3 bilhões foram destinados ao seu acionista controlador. “Além disso, de janeiro a junho de 2021, sua contribuição à sociedade brasileira, na forma de tributos pagos pela companhia e retidos de terceiros, foi de R$ 76,7 bilhões, montante R$ 14,1 bilhões superior ao mesmo período de 2020”, acrescenta a empresa em nota.

A Petrobras conclui afirmando que segue adotando a prática de preços de venda em equilíbrio com os mercados competidores. Sensível ao impacto social do gás de cozinha (GLP), a que contribui ativamente nas discussões no âmbito do Ministério de Minas e Energia quanto a eventuais programas voltados às famílias vulneráveis.

Fonte: Estadão Conteúdo

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).