Imagem: Diorio/Estadão Conteúdo/AE

O Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) saiu em defesa da “livre formação e negociação de preços” no mercado de combustível nesta quinta (18). Comunicado foi feito após Jair Bolsonaro (sem partido) criticar o aumento dos preços do diesel e da gasolina pela Petrobras e anunciar medidas para obrigar os postos de gasolina a publicar a composição dos preços dos combustíveis.

“Neste mercado com múltiplos agentes, a dinâmica de preços livres deve ser preservada, com alinhamento à paridade internacional, equilibrando a oferta e a demanda. Os derivados são commodities comercializadas internacionalmente e a paridade traz previsibilidade e transparência ao mercado”, diz a nota do IBP.

Na transmissão semanal de hoje, Bolsonaro afirmou que um decreto vai obrigar os postos de gasolina a incluir nas notas fiscais de combustíveis a composição dos preços, incluindo a discriminação de impostos estaduais e a “margem de lucro”

“Tem um decreto nosso que está para ser publicado que vai obrigar os postos de combustíveis a botar o preço da refinaria, imposto federal, imposto estadual, margem de lucro dos donos de combustíveis e o preço da distribuição de combustível”.

O presidente iniciou há algumas semanas uma campanha para deixar de ser cobrado pelo custo dos combustíveis. Vem dizendo que não pode interferir na Petrobras, nem nos estados e está reclamando do lucro das empresas e que as críticas devem ser direcionadas aos governadores.

“O imposto federal é alto. O estadual é alto. A margem de lucro das distribuidoras é grande e a margem de lucro dos postos também é grande. Então tá todo mundo errado, no meu entendimento. Pode ser que eu esteja equivocado”, enumerou o presidente na semana passada.

Para o IBP, é preciso garantir um mercado sem interferências.

“Diante de mudanças e desafios trazidos pelo novo modelo do downstream (refino e distribuição) brasileiro, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) reafirma sua defesa de um mercado aberto, competitivo, dinâmico, ético, com segurança jurídica e previsibilidade regulatória”.

A associação representa a Petrobras e as grandes petroleiras internacionais que atuam no Brasil. Ano passado, criou uma divisão de downstream com participação da BR Distribuidora e da Raízen, as maiores distribuidoras de combustíveis em participação de mercado.

“O Instituto tem confiança no processo de abertura, que tem se dado de forma gradual, com a ANP acompanhando a garantia do abastecimento nacional e evoluindo o marco regulatório para acompanhar a dinâmica de transformação do consumidor e estimular a competitividade. Para que esta transição realize seu potencial de favorecer a sociedade, atrair investimentos e novos atores, reduzir custos e aumentar a eficiência, as restrições à livre iniciativa não podem prosperar”.

Bolsonaro também citou a necessidade de combater fraudes na comercialização de combustíveis e na qualidade dois produtos.

“O combate às irregularidades do setor é outro aspecto fundamental para atração de investimentos e novos agentes. Sonegação de tributos, adulteração de produtos e furtos de combustíveis são exemplos de irregularidades que desestabilizam o ambiente negocial e concorrencial e, portanto, merecem toda a atenção das autoridades responsáveis”, comentou o IBP.

Fonte: epbr

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do etanol em alta traduz potencial aumento da gasolina e fim de safra

De olho no comportamento de alta do petróleo e da Petrobras (PETR3;…

CNPE define regras para liberação da venda direta de etanol na ANP

Resolução é criticada pela Unica, que teme concentração de impostos sobre os produtores

3 Grandes Players Estão Mudando a Perspectiva do Mercado de Petróleo. Saiba como

Com a chegada do ano-novo, o foco das atenções do mercado de…

Preços nos postos: Em alta, etanol perde competitividade em relação à gasolina

Enquanto o renovável subiu 2,05% nas bombas, o fóssil caiu 0,05%; com isso, a relação entre os preços subiu de 68,3% para 69,7%