Biden pede mais petróleo, mas a OPEP + fornecerá?

A OPEP + ainda não discutiu o pedido do presidente Biden ao cartel para aumentar a produção de petróleo em uma tentativa de reduzir os preços na bomba para os motoristas americanos, informou o Sputnik russo, citando uma fonte não identificada de uma das delegações do grupo.

A Casa Branca no início desta semana apelou à OPEP + para aumentar a produção de petróleo em mais do que o cartel havia planejado, já que os preços da gasolina continuaram subindo impulsionados pela demanda e oferta restrita.

“Estamos conversando com membros relevantes da OPEP + sobre a importância dos mercados competitivos na definição de preços”, disse o assessor de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, em um comunicado na quarta-feira.

“Os mercados de energia competitivos garantirão suprimentos de energia confiáveis ​​e estáveis, e a OPEP + deve fazer mais para apoiar a recuperação”, acrescentou Sullivan, em um dos primeiros apelos diretos do governo Biden sobre a aliança OPEP +. “Os custos mais elevados da gasolina, se não forem controlados, podem prejudicar a recuperação global em curso”, acrescentou.

“Não houve nenhuma discussão entre os membros da aliança sobre este assunto ainda. Eles [as discussões] são constantemente conduzidas sobre várias questões informalmente quando eventos imprevistos no mercado de petróleo ocorrem”, disse a fonte do Sputnik. No entanto, eles acrescentaram que uma discussão não pode ser descartada.

O movimento da Casa Branca é um pouco surpreendente, dada sua agenda estritamente verde e a priorização de fontes alternativas de energia em detrimento do petróleo. No entanto, os preços na bomba vêm subindo há meses, com a média até agora em US $ 3,12 por galão, antes atingindo a maior alta em um ano de US $ 3,19 por galão. Washington espera que esse valor caia para US $ 2,82 por galão no último trimestre do ano. O aumento das infecções por Covid-19 pode contribuir para a queda do preço, de acordo com a Bloomberg.

A OPEP +, por sua vez, está adicionando 400.000 bpd à sua produção coletiva a partir deste mês até o final de 2022, quando sua produção atingirá os níveis pré-pandêmicos. Segundo Washington, isso não é suficiente. No entanto, dada a agenda verde de Biden e os preços mais altos do petróleo que as restrições à produção resultaram, é questionável o quão favorável a OPEP + parecerá na convocação.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).