Imagem: adobestock.com

A política norte-americana tem bastante impacto na cotação do petróleo, seja em termos de oferta ou de demanda.

A razão é que, antes do coronavírus, os Estados Unidos eram os maiores produtores e consumidores mundiais de petróleo. E as decisões de política externa dos EUA também impactam a produção e a comercialização internacional do produto.

Devido a essa grande influência no mercado petrolífero, é importante que os investidores fiquem atentos à maneira como a eleição presidencial nos EUA pode afetar a produção e a cotação dessa commodity. A próxima eleição no país está marcada para 3 de novembro, e o primeiro debate entre o presidente Donald Trump e o ex-vice-presidente Joe Biden deve acontecer na terça-feira, 29 de setembro.

Se Trump for reeleito, a expectativa é que o governo federal continue com as mesmas políticas em relação à produção doméstica de óleo e gás. Por outro lado, se Biden se tornar presidente, as políticas federais nesse campo devem mudar, mas ainda não se sabe com clareza como.

Política do petróleo: Biden Vs. Trump

Quando assunto é política energética, os planos de Biden não têm sido consistentes. Uma hora ele diz que quer acabar com o uso de combustíveis fósseis e implementar o Green New Deal; outra hora ele declara que jamais pensaria em banir a extração por fraturamento.

Ainda saberemos mais sobre se e quando Biden irá esclarecer sua posição; porém, mesmo assim, será complicado saber ao certo o que ele pensa, pois as declarações que os candidatos fazem durante a campanha nem sempre refletem a forma como eles se comportam quando assumem o cargo. O presidente George W. Bush, por exemplo, era o “homem do petróleo” e encarado como amigo da indústria petrolífera, mas foi sob a administração Obama, líder conhecido como ambientalista, que a indústria de óleo e gás nos EUA realmente prosperou.

Nas colunas futuras, antes do dia da eleição, abordarei as possibilidades existentes para a produção (e demanda) de óleo e gás nos EUA, dependendo de qual candidato demonstre maior probabilidade de vencer.

Se o presidente Trump sair vitorioso e garantir seu segundo mandato, os investidores podem esperar que a política externa norte-americana continue seguindo o caminho atual. As sanções às exportações de petróleo e gás do Irã e da Venezuela devem continuar como estão ou serem intensificadas. Biden, por outro lado, deve executar uma política externa distinta a esse respeito. O candidato afirmou que implementaria uma relação drasticamente diferente com o Irã, por exemplo, mas não deixou claro se relaxaria as sanções ao petróleo do país persa.

De acordo com a Platts, em agosto o Irã produziu 1,95 milhão de barris por dia (mbpd). O país provavelmente encararia uma vitória de Biden como uma oportunidade para colocar mais petróleo no mercado, seja de forma clandestina ou não. A China provavelmente compraria mais petróleo do Irã, pelo menos através dos mesmos canais alternativos, já que o país vinha adquirindo furtivamente o petróleo persa em contravenção às sanções do passado. Se as sanções forem relaxadas, os outros clientes do Irã, como Índia e Coreia, devem retomar as compras de óleo e gás do país, mas os investidores não devem alimentar as expectativas de que empresas europeias voltem ao mercado petrolífero iraniano tão cedo. O Irã ainda não oferece um ambiente de negócios promissor para eles.

Se o país persa aumentar sua produção e vendas durante o governo Biden, a política da Opep seria impactada. Essa situação poderia desestabilizar o acordo Opep+, se o Irã exigir um tratamento especial para ultrapassar sua cota devido às dificuldades econômicas que as sanções dos EUA têm gerado ao país. Caso o petróleo iraniano ingresse no mercado antes que o atual período de baixa demanda melhore significativamente, os preços do petróleo podem cair ainda mais. Entretanto, a recuperação da produção iraniana levaria algum tempo. Por isso, não seria demais assumir que o consumo de petróleo aumentaria consideravelmente antes que o país conseguisse produzir de 3,5 a 4 mpbd.

Uma vitória de Biden também pode levar ao fim das sanções americanas à Venezuela. Cabe ressaltar, no entanto, que o mercado petrolífero venezuelano está em condições tão ruins que o país provavelmente não teria capacidade de exportar seu petróleo por algum tempo. A Venezuela também viu um grande volume de talentos do setor deixar o país nos últimos anos, o que poderia complicar ainda mais seus esforços para aumentar a produção.

De fato, o mais provável seria ver mais exportações iranianas de petróleo e gasolina para a Venezuela, até que a indústria do país sul-americano voltasse a ficar de pé. Outra possibilidade é a Venezuela registrar um influxo de investimentos e de pessoal da Rússia e possivelmente da China para reativar sua indústria. Mesmo em um mercado sobreabastecido, como a Venezuela produz principalmente petróleo pesado, seu produto encontraria alta demanda com a volta da sua oferta, principalmente nos EUA. Portanto, apesar das significativas barreiras (perda de talentos, despesas, corrupção governamental, degradação da infraestrutura), a Venezuela provavelmente atrairia interessados em reabilitar sua indústria e adquirir seu petróleo.

Outras notícias políticas da Califórnia também chamaram a atenção do mercado nesta semana. O governo do estado, Gavin Newsom, assinou um decreto executivo proibindo a venda de carros com motor a combustão interna na jurisdição estadual até 2035. A Califórnia é o maior estado norte-americano, com cerca de 40 milhões de habitantes, mas o decreto de Newsom não é algo tão relevante assim, pois o governo provavelmente carece de autoridade para legislar sobre assunto, sem falar que a normativa pode ser facilmente revogada por outro governante até 2035.

Além disso, trata-se de um decreto inexequível, já que a rede elétrica californiana carece de capacidade para aguentar tanta demanda. Ainda que esse decreto seja copiado por outros estados, os investidores de petróleo não devem dar tanta importância a esses esforços estatais, a menos que os fabricantes de automóveis comecem a responder a essas iniciativas governamentais com uma estratégia diferente.

Fonte: Investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petrobras já observa recuperação das vendas de gasolina e diesel no Brasil em maio

A Petrobras já registra boa recuperação na demanda brasileira por diesel e gasolina, ante a forte retração observada no início de abril por impactos do novo coronavírus.

Brasil vai produzir gasolina com mesma qualidade dos EUA e Europa

A partir de agosto, combustível seguirá novas especificações. Preço será mais caro, o que deve ser compensado por consumo menor, diz diretora da Petrobras

Recuperação do petróleo em risco com temores da demanda global

Os preços do petróleo bruto se recuperavam de forma pouco convincente na quarta-feira (9), após serem atingidos na terça-feira por preocupações sobre o enfraquecimento da demanda global.