O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse hoje que pode recorrer à Justiça para tentar dar seguimento à tramitação do projeto que quer alterar a cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que incide sobre combustíveis. A ideia é que o imposto tenha um valor fixo, e não um percentual, a ser definido individualmente pelos estados.

Originalmente, a proposta (PLP 16/21) previa uma cobrança fixa em todo o país, que seria determinada pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) e atingiria a gasolina, o diesel, o etanol, o gás de cozinha e outros derivados de petróleo, podendo variar de acordo com cada produto. Mas, segundo Bolsonaro, o projeto não seria aprovado desta maneira — o que sugere que o governo pode enviar uma nova versão.

“É um Projeto de Lei Complementar para regulamentar uma Emenda Constitucional de 2001. A emenda diz que o imposto de combustíveis tem que ter um valor fixo no Brasil todo. Como não é possível aprovar dessa maneira, falei com Arthur Lira [(PP-AL), presidente da Câmara], ele vai tentar aí conversar com o Parlamento. Que seja um valor fixo, mas que cada estado fixe o seu valor”, defendeu o presidente durante sua live semanal.

“Espero que não tenha que recorrer à Justiça para tratar desse assunto, vou acabar recorrendo à Justiça. Espero que a Justiça me atenda”, completou.

Se, por exemplo, o estado do Rio Grande do Norte quer botar aí R$ 1 o ICMS da gasolina, bota lá. Mas se outro estado do Nordeste quiser botar R$ 2, botar R$ 0,50, o governador que se entenda com a sua respectiva Assembleia Legislativa. O que não pode é você não saber a composição do preço do combustível e botar a culpa em mim.Jair Bolsonaro, durante live de 13/05/2021

O PLP original foi enviado à Câmara em fevereiro deste ano. À época, a assessoria da Secretaria-Geral da Presidência disse em nota que o objetivo da proposta é estabelecer uma alíquota de imposto uniforme e específica, conforme a unidade de medida adotada na operação (litro, quilo ou metro cúbico).

“Com isso, o ICMS não irá variar mais em razão do preço do combustível ou das mudanças do câmbio”, explicou.

Problemas
Pensado como uma maneira de reduzir o preço dos combustíveis para o consumidor, o primeiro projeto enviado por Bolsonaro pode, na verdade, aumentá-lo em alguns estados, segundo cálculos feitos pelo UOL em fevereiro. Isso porque o PLP não estipula um valor específico para esse imposto.

Considerando os preços de janeiro, se todos os estados concordassem em cobrar um valor médio fixo do ICMS, ele seria de R$ 1,32 por litro de gasolina e R$ 0,61 por litro de diesel. Mas em São Paulo, por exemplo, o ICMS cobrado hoje sobre a gasolina é de 25% (R$ 1,06 no início do ano) por litro; sobre o diesel, de 13,3% (R$ 0,48 no mesmo período).

Além disso, a alíquota do ICMS varia significativamente de um estado para outro. Por isso, é difícil que o valor fixado depois da aprovação da lei fique abaixo do que é cobrado atualmente.

“O ICMS sobre combustíveis é a principal fonte de arrecadação dos estados. E mesmo que haja um acordo entre eles [para definir o valor do imposto], isso não significa que o preço vai diminuir para o motorista. Pode, sim, aumentar”, disse ao UOL Paulo Miranda Soares, presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis).

(Com Agência Câmara de Notícias e Reuters)

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Como são formados os preços da gasolina e diesel?

Depois de uma forte queda nos primeiros meses da pandemia, os preços dos combustíveis na bomba aumentaram desde meados do ano, conforme as atividades econômicas foram retomadas após a fase mais rígida do isolamento social contra a disseminação do coronavírus.

Refinarias da Índia buscam reduzir dependência do Oriente Médio

Refinarias da Índia, terceira maior importadora de petróleo, têm comprado mais cargas fora do Oriente Médio depois que o governo incentivou a diversificação de fornecedores devido ao forte controle da produção pela aliança Opep+.

‘Com emoção’: as tensões na governança da Petrobras

Na governança corporativa das empresas brasileiras, 2021 promete ser um ano ‘com emoção’.

Petrobras exporta recorde de petróleo em abril apesar da crise de demanda global

Estatal registrou marca de 1 milhão de barris por dia, superando recorde anterior de 771 mil barris por dia, alcançado em dezembro de 2019.