Bolsonaro: Conversei com Putin; há chance de comprarmos diesel da Rússia

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 27, que o Brasil pode passar a comprar diesel da Rússia, país que vem passando por um processo de isolamento no cenário internacional – com direito à aplicação de sanções – desde a invasão da Ucrânia, ocorrida em fevereiro.

De acordo com Bolsonaro, a possibilidade da troca comercial foi negociada mais cedo em ligação telefônica com o presidente russo, Vladimir Putin, antecipada pelo Broadcast Político e posteriormente confirmada pelo ministro de Relações Exteriores, Carlos França.

“Conversei com o presidente Putin, hoje, da Rússia. Trocas comerciais entre nós. Temos aí a segurança alimentar e a segurança energética. Então, há chance de comprarmos diesel de lá. Fica, com toda certeza, um preço mais em conta”, declarou o presidente a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.
Bolsonaro afirmou ainda que o preço dos combustíveis pode diminuir se o barril do petróleo do tipo Brent no mercado internacional continuar caindo, mas ponderou que é a Petrobras que decide o valor cobrado no País. Hoje, o petróleo Brent, negociado na bolsa de Londres, subiu a US$ 110,98 o barril. “O que a gente precisa? Transparência em tudo. É igual hoje, começaram alguns governadores a baixar o ICMS”, acrescentou o chefe do Executivo, em mais uma crítica à política de preços da empresa.

Em resposta à sanção da lei que estabeleceu um teto de 18% para a cobrança do ICMS incidente sobre os combustíveis, governadores começaram hoje a reduzir as alíquotas do imposto em seus Estados. Foi o caso de São Paulo e de Goiás.

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.