Bolsonaro: governo não vai interferir em política de preço de combustíveis

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) declarou hoje após reunião no Ministério de Minas e Energia que o governo não vai interferir na política de preço de combustíveis.

“Não existe interferência do governo. […] Não sou intervencionista. Essa política vem sendo bem conduzida pelo almirante [e ministro de Minas e Energia] Bento [Albuquerque] juntamente com o presidente da Petrobras [Roberto Castello Branco]”, afirmou.

O aumento no preço dos combustíveis tem preocupado Bolsonaro desde o início do governo. O principal temor do presidente é que o encarecimento leve a uma greve dos caminhoneiros, algo que afetaria o processo de recuperação da economia e a imagem do governo.

Após o encontro e a declaração de Bolsonaro, o ministro Albuquerque reforçou que o governo não irá interferir no mercado.

Ele disse, porém, que o governo estuda uma forma de criar mecanismos que compensem esse aumento nos preços dos combustíveis. A expectativa é que a medida não gere inflação e não frustre expectativas [de mercado]. O ministro disse que o governo “não vai procurar o caminho dos impostos”.

Em fala, Bolsonaro disse que os governadores também podem ajudar a segurar a alta de preços uma vez que um terço do valor final dos combustíveis em postos depende de impostos estaduais, em sua avaliação.

No entanto, não há previsão de reunião do presidente com governadores no momento.

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou haver “total respeito à lei” de liberdade de preços de combustíveis. “E o presidente Bolsonaro pratica isso. Nunca recebi pressão para abaixar o preço de qualquer derivado de petróleo”, disse.

Ele acrescentou achar ser pouco provável que um eventual acirramento da crise política entre Estados Unidos e Irã resulte em uma crise econômica.

Fonte: Uol Economia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo tem pior semana desde março, com WTI abaixo de US$ 90

Os touros do petróleo costumavam sorrir para o mercado de trabalho dos EUA com orgulho. Agora, eles não têm mais tanta certeza se deveriam.

Medos de recessão tomam conta dos mercados de petróleo

Os preços do petróleo estão de volta aos níveis em que estavam antes de a Rússia invadir a Ucrânia, destacando que uma recessão global e a destruição da demanda são agora o foco central dos comerciantes.

Petróleo cai cerca de 7% na semana e preço negociado volta a ser o mesmo de fevereiro

Brent e WTI operam em alta moderada, rompendo o fechamento negativo de dois pregões consecutivos. Mas a recuperação de hoje, no patamar de 1% para ambas as referências, não chega perto do acumulado de perdas da semana, que somam cerca de 7%.