BP inicia operações do maior campo petrolífero do Iraque

A BP está separando seus ativos no Iraque estabelecendo uma joint venture com a PetroChina que administrará o maior campo petrolífero do Iraque, Rumaila, já que a supermaior com sede no Reino Unido está procurando investir mais em fontes de energia de baixo carbono e se tornar um negócio líquido zero em 2050.

A BP e a PetroChina estão criando uma nova joint venture autônoma, Basra Energy Co. Ltd., para administrar Rumaila junto com a estatal iraquiana Basra Oil Company, disse a BP em um comunicado divulgado pela Bloomberg. O novo empreendimento terá acesso a financiamento externo, disse o supermaior.

A nova joint venture vai operar Rumaila até 2034, quando o contrato atual expira, e permitirá que a BP e a PetroChina continuem investindo nas operações do campo de petróleo, disse a supermajor em comunicado à Reuters .

O governo iraquiano aprovou na terça-feira o plano de spin-off da BP, disse o ministro do petróleo do Iraque, Ihsan Abdul Jabbar Ismaael, em um comunicado separado.

O spin-off da BP no Iraque não é uma surpresa. Há mais de dois meses circulam relatórios de que o supermaior estava pensando em criar uma empresa separada para administrar seus ativos iraquianos.

Em junho, o The Wall Street Journal informou que a BP estava considerando cindir seus ativos de petróleo no Iraque , incluindo sua participação no terceiro maior campo petrolífero do mundo, Rumaila. A BP estaria trabalhando no plano para criar uma nova empresa junto com a China National Petroleum Corporation (CNPC), proprietária da PetroChina, que é parceira da BP no campo ao lado da Basra Oil Company, estatal iraquiana.

A presença da BP no Iraque começou em Kirkuk na década de 1920, quando a empresa agora conhecida como BP ajudou o Iraque a localizar, produzir e exportar petróleo de Baba Gurgur, que era o maior campo de petróleo do mundo na época.

Estima-se que Rumaila, o terceiro maior campo produtor do mundo, tenha cerca de 17 bilhões de barris de óleo recuperável, de acordo com a BP.

Com a BP como operadora, o campo petrolífero de Rumaila produz 1,5 milhão de barris por dia (bpd) de petróleo, ou cerca de um terço do petróleo bruto bombeado no segundo maior produtor da Opep depois da Arábia Saudita. A produção de petróleo em Rumaila aumentou 40 por cento desde 2010.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).