BR banca gastos milionários da Plural

30/07/2019 – Um tanque cheio para o Tribunal de Contas da União (TCU) mergulhar a fundo, e os futuros acionistas questionarem: a BR Distribuidora, em processo de privatização pelo Governo, cobre perto de 40% de uma rubrica milionária, e sigilosa, utilizada pela Plural (antiga Sindicom), a Associação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência.

A BR é associada com Shell, Ipiranga e outras empresas. Uma Ata da associação indicou que ano passado foram gastos R$ 36,9 milhões, e houve aprovação de mais R$ 45 milhões, cujos investimentos não são detalhados. A BR – que paga quase metade disso – é uma empresa de capital misto, com a União como principal acionista.

Como empresa da União, embora de capital aberto, a BR é passível de investigação do TCU, que poderá averiguar para que duto escorre esta dinheirama pública.

O Governo vai vender 30% de ações na BR, aprovadas em assembléia. Ganhará mais de R$ 9,5 bilhões direto no Tesouro, e ainda manterá 37,5% da empresa de capital misto.

Em nota, a Plural informa que “os recursos e investimentos da Associação são decididos entre e exclusivamente os seus associados”. Mas evita explicar a participação da BR.

Fonte: Fecombustíveis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo tem pior semana desde março, com WTI abaixo de US$ 90

Os touros do petróleo costumavam sorrir para o mercado de trabalho dos EUA com orgulho. Agora, eles não têm mais tanta certeza se deveriam.

Medos de recessão tomam conta dos mercados de petróleo

Os preços do petróleo estão de volta aos níveis em que estavam antes de a Rússia invadir a Ucrânia, destacando que uma recessão global e a destruição da demanda são agora o foco central dos comerciantes.

Petróleo cai cerca de 7% na semana e preço negociado volta a ser o mesmo de fevereiro

Brent e WTI operam em alta moderada, rompendo o fechamento negativo de dois pregões consecutivos. Mas a recuperação de hoje, no patamar de 1% para ambas as referências, não chega perto do acumulado de perdas da semana, que somam cerca de 7%.