30/07/2019 – Um tanque cheio para o Tribunal de Contas da União (TCU) mergulhar a fundo, e os futuros acionistas questionarem: a BR Distribuidora, em processo de privatização pelo Governo, cobre perto de 40% de uma rubrica milionária, e sigilosa, utilizada pela Plural (antiga Sindicom), a Associação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência.

A BR é associada com Shell, Ipiranga e outras empresas. Uma Ata da associação indicou que ano passado foram gastos R$ 36,9 milhões, e houve aprovação de mais R$ 45 milhões, cujos investimentos não são detalhados. A BR – que paga quase metade disso – é uma empresa de capital misto, com a União como principal acionista.

Como empresa da União, embora de capital aberto, a BR é passível de investigação do TCU, que poderá averiguar para que duto escorre esta dinheirama pública.

O Governo vai vender 30% de ações na BR, aprovadas em assembléia. Ganhará mais de R$ 9,5 bilhões direto no Tesouro, e ainda manterá 37,5% da empresa de capital misto.

Em nota, a Plural informa que “os recursos e investimentos da Associação são decididos entre e exclusivamente os seus associados”. Mas evita explicar a participação da BR.

Fonte: Fecombustíveis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo têm rali em meio à aceleração de cortes de bombeamento

Os preços do petróleo voltaram a subir nesta quinta-feira, ampliando a recuperação depois de grandes países produtores da commodity afirmarem que vão acelerar os cortes.

Preços dos combustíveis têm leve alta na semana, diz ANP

Valor médio do litro do diesel subiu de R$ 3,712 para R$ 3,714. Foi a nona semana seguida de aumento de preço.