Foto: Reprodução

Há quase dois meses no comando da BR Distribuidora, Wilson Ferreira Jr. anunciou as primeiras metas da nova gestão da empresa com foco no aumento da rentabilidade no curto e médio prazos. Ao mesmo tempo, a companhia traça um novo reposicionamento estratégico para o longo prazo, de olho nas oportunidades geradas pela transição energética para uma economia de baixo carbono. A expectativa é divulgar o plano no início do segundo semestre.

O pacote imediato de ações, para cortar custos e aumentar a eficiência dos negócios tradicionais, contempla, ao todo, 201 iniciativas com potencial para gerar economia de R$ 250 milhões em 2022, em relação aos níveis de despesas de 2020. O trabalho de identificação de oportunidades adicionais de aumento da eficiência teve início antes mesmo da chegada de Ferreira Jr. e foi consolidado pela nova gestão.

O objetivo é dar continuidade aos ganhos obtidos desde a privatização e que permitiram à distribuidora chegar a uma despesa operacional ajustada de R$ 60 por metro cúbico no primeiro trimestre – patamar 29% inferior à média de 2019.

As iniciativas serão implementadas nos próximos meses, com impacto concentrado a partir do ano que vem. Segundo Ferreira Jr., tratam-se de “medidas discretas”, que passam desde a revisão dos contratos de vigilância até questões de logística e simplificação da estrutura da empresa.

Autor/Veículo: Valor Econômico

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Etanol hidratado cai pela segunda semana nas usinas, ao contrário de nas distribuidoras

Nas duas semanas em que permanece no radar a pressão dos postos de combustíveis, representados pela Fecombustíveis, para que o governo reduza a mistura de etanol anidro na gasolina, o renovável hidratado foi ofertado com duas baixas seguidas nas usinas.

AIE aumenta previsão de queda na produção de petróleo dos EUA em 2021

A produção de petróleo dos Estados Unidos deverá recuar em 290 mil barris por dia (bpd) em 2021, para 11,02 milhões de bpd, afirmou a Administração de Informação sobre Energia (AIE) nesta terça-feira, indicando uma queda mais brusca do que a prevista anteriormente, de 270 mil bpd.

Preços do petróleo tocam máxima de 11 meses após queda em estoques dos EUA

Os preços do petróleo atingiram máximas de 11 meses nesta quarta-feira, impulsionados por uma redução nos estoques da commodity e de gasolina nos Estados Unidos.

Os Futuros do Petróleo caíram durante a sessão dos Estados Unidos

Na Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros do Petróleo em Junho foram negociados na entrega a US$ 61,99 por barril no momento da escrita, caindo 0,24%.