BR Distribuidora: espere retorno de dividendos de até 9%

A recomendação da Easynvest é de compra para as ações, com preço justo de R$ 40

Com um histórico de distribuição de dividendos visto como “impressionante”, a BR Distribuidora (BRDT3) poderá entregar um retorno de entre 8% a 9%, avalia a equipe de análise da Easynvest em um relatório enviado a clientes e obtido pelo Money Times.

O analista Murilo Breder lembra que o “yield” chegou a 6% em 2018, 11% em 2019 e 4% em 2020, como resultado do impacto da pandemia.

Segundo ele, mantendo o lucro líquido dos últimos 12 meses constante assim como o payout (percentual do lucro líquido distribuído sob a forma de proventos) e considerando a cotação atual das ações, o retorno em dividendos pode ficar na casa dos 8% a 9%.

“Essa perspectiva é na verdade conservadora pois, com a vacinação avançando e uma flexibilização ainda maior da economia, fora uma expectativa de que a eficiência da companhia siga melhorando, é de se esperar que o lucro líquido também tenha uma perspectiva positiva”, indica.

A recomendação da Easynvest é de compra para as ações, com preço justo de R$ 40. Breder indica a alocação até o valor de R$ 34.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.