O ministro de Minas e Energia Almirante Bento Albuquerque — Foto: Aleam

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, avalia que o Brasil, apesar da projeção de aumento expressivo de sua produção de petróleo nos próximos anos, deve continuar interagindo com os grandes produtores mundiais sem entrar, por enquanto, na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), cartel liderado pela Arábia Saudita.

“Não é uma questão de filiação ou não filiação. É uma questão de cooperação, é uma questão de estar presente [nas discussões com os grandes produtores]”, disse o ministro durante o encontro empresarial promovido pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). A declaração foi dada em resposta a provocação feita pelo presidente da federação, Flávio Roscoe.

Albuquerque afirmou que tem participado de reuniões da Opep com ministros de energia do grupo dos vinte países mais ricos (G20). “Nessas reuniões, o Brasil tem sido reconhecido como um país que tem superado as dificuldades e tem sido muito bem sucedido nas ações que estão sendo implementadas nos setor”, afirmou.

O ministro reiterou que nos próximos anos o Brasil alcançará as posições de quinto maior produtor e quarto maior exportador de petróleo do mundo. Atualmente, disse ele, o país ocupa a oitava e nona posição respectivamente. “Nossa produção de petróleo e gás vai crescer exponencialmente”, comentou.

Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia do Brasil, descartou intenção de entrar na Opep.

Fonte: Valor Online

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Senadores querem ouvir Cade sobre suposto cartel de combustíveis

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, aprovou nesta quinta-feira (25) um requerimento para ouvir o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto.

Etanol de milho pode conquistar 20% do mercado até 2030, aposta Unem

Ele já foi visto com desconfiança, mas hoje o etanol de milho é uma realidade no mercado brasileiro de biocombustíveis. No lugar de ser um concorrente do etanol de cana, o produto se mostrou um complemento para a produção principalmente na entressafra.

Governo de São Paulo muda regra do ICMS e afeta Copape

Um decreto publicado no início do mês pelo governo de São Paulo vai dificultar um pouco mais a vida das empresas formuladoras de combustível no estado, em especial a Copape, que está em uma ferrenha disputa fiscal com o Estado.

Agência Internacional de Energia alerta para oferta ainda mais apertada sem acordo da Opep+

A oferta global de petróleo deve ficar “significativamente” apertada, a menos que a aliança Opep+ resolva o impasse e concorde em aumentar a produção, alertou a Agência Internacional de Energia.