Cana de morte súbita e entressafra longa deixam etanol no modo de alta, se petróleo e Petrobras colaborarem

Com menor volume de matéria-prima, etanol pode subir de preços no final de 2021 e nos primeiros meses de 2022

Seja 540 milhões de toneladas, 550, 560 ou sabe-se lá qual vai ser o volume de cana no Centro-Sul depois da quebra esperada, a safra 21/22 vai ter morte súbita. Quando a maioria das unidades costumam parar na virada de novembro para dezembro, este ano vai de outubro para novembro.

Com tempo seco se arrastando há meses, e geadas, não adianta segurar cana para moer no prazo certo. Não há produtividade e não compensa até relativa melhora da qualidade expressa no total de açúcares recuperáveis (ATR), potencializada pela menor umidade.

Três consultores enxergam a maioria das usinas encerrando os trabalhos em outubro: Luiz Carlos Carvalho, da Canaplan, Ricardo Pinto, da RPA Consultoria, e Willian Hernandez, da FG/Agro.

Desse modo, a entressafra mais longa, praticamente de cinco meses contra três do normal – embora oficialmente as safras de cana vão até final de março -, carrega o etanol no modo alta.

Pelo menos é a tendência, uma vez que com as exportações de açúcar praticamente finalizadas, a menor quantidade de matéria-prima para manter estoques do biocombustível por mais tempo implica em preços mais altos.

Inclusive se a demanda estiver lenta, como costuma ser, sazonalmente, nas férias, além de que a recuperação pré-pandemia do consumo não deverá ser atingida.

Há, contudo, que combinar com o petróleo e com a Petrobras (PETR4), como lembram Carvalho e Pinto.

Definitivamente, o óleo cru mais elevado e a petrolífera estatal não segurando o reajuste da gasolina, dará o impulso final a essa tendência, especialmente para o hidratado.

A expectativa de melhora no consumo global ainda está no monitor, embora embaçado nos últimos dias pelo avanço da variante Delta da covid-19.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).