Foto: © Investing.com

Investing.com – A recuperação do petróleo é real ou o congelamento do Texas apenas atrasou um rude despertar? Como sempre, a resposta não é tanto se o mercado está perdendo alguma coisa, mas se foi longe demais, rápido demais.
Desde o final de outubro, os preços de referência subiram 70%. Isso não é inédito de forma alguma, mas o que se destaca é a falta de qualquer correção significativa em um período que já remonta a quase quatro meses. Esse é o tipo de rali que geralmente grita “sobrecompra!”

É certo que os fundamentos mudaram drasticamente nesse período. Uma série de vacinas foi comprovada como eficaz contra a Covid-19, depois autorizada e distribuída, cada vacina antecipando o dia em que as pessoas voltarão se locomover com mais liberdade.

Em segundo lugar, o novo governo dos EUA está conduzindo um pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão por meio do Congresso, que está barateando o dólar (alta para os preços do petróleo) e provavelmente impulsionará a demanda do consumidor (também alta). Até mesmo os planos do governo de desenvolver a energia verde são otimistas no curto prazo: afinal, é preciso muito diesel para construir um parque eólico.

Em terceiro lugar, a Arábia Saudita e a Rússia conseguiram manter sua rivalidade sob controle e cumpriram os prometidos cortes de produção. Ao todo, o chamado bloco Opep+ ainda mantém em reserva mais de 6 milhões de barris diários de capacidade de produção de petróleo. Como resultado, os estoques mundiais, que atingiram níveis recordes com a queda da demanda no verão passado, devem voltar à sua média de cinco anos no meio do ano, de acordo com o último relatório mensal da Agência Internacional de Energia (EIA, na sigla em inglês).

A cereja do bolo foi a onda de frio de uma semana que interrompeu a produção, os oleodutos e o refino de petróleo texano.

Vários relatórios sugerem que uma série de problemas mecânicos e outros impedirão um rápido retorno ao normal: a retomada das atividades da refinaria de Port Arthur, de 607.000 barris por dia, da Motiva, durará 17 dias, de acordo com um documento regulatório da empresa. A Occidental Petroleum (NYSE:OXY) (SA:OXYP34) disse na segunda-feira que espera que sua produção de petróleo e gás encolha cerca de 4% ao longo de todo o primeiro trimestre, devido principalmente a perdas relacionadas a tempestades. A Reuters informou na segunda-feira que os produtores do Texas precisarão de mais duas semanas para retomar a produção a níveis anteriores à tempestade.

Analistas do Bank of America Merrill Lynch agora veem a combinação desses fatores levando Brent a até US $ 70 no final do trimestre.

No entanto, a natureza temporária dos problemas do Texas deve exigir cautela contra a busca de ganhos adicionais em petróleo a partir daqui. A produção de petróleo dos EUA não diminuirá por muito tempo. E embora os perfuradores de shale ainda estejam em modo de economia de dinheiro, a visão de preços em torno de US$ 70 certamente os levaria a aumentar a produção novamente.

“Eu aprendi às vezes que, se os preços ficarem altos, as mentalidades podem mudar”, disse Robert Kaplan, presidente do Dallas Federal Reserve Bank, em uma conferência na segunda-feira. Kaplan disse que mesmo um retorno à produção dos EUA de 13 milhões de barris por dia é possível, dados incentivos de preço.
Os aumentos na produção de shale dos EUA não apenas aumentam a produção global por si só, mas também ameaçam a coesão do pacto da Opep+. Embora a Arábia Saudita possa equilibrar sua diplomacia do petróleo com sua necessidade de consertar as barreiras com um novo governo democrata, a Rússia costuma estar menos inclinada a perder participação de mercado para seu maior bicho-papão geopolítico.

Notícias já sugeriram que a Rússia pressionará por um grande aumento na produção na revisão mensal da próxima semana do pacto de produção da Opep+, em que o bloco definirá seus níveis de produção para abril. A Arábia Saudita inevitavelmente desejará reverter um corte unilateral de 1 milhão de barris por dia que promulgou para preservar uma unidade que já estava rompendo um mês atrás.

No seu último relatório mensal, a IEA referiu-se ao que considerou um “frágil reequilíbrio” do mercado mundial. As reuniões da próxima semana devem mostrar o quão frágil é.

Fonte: investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Alteração de PMPF e impacto sobre os preços dos combustíveis. 16/12/2020

O CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária) divulgou o ATO COTEPE Nº…

Para Petrobras, petróleo terá espaço por muitas décadas

A transição energética para uma economia sem emissões de gases efeito estufa…

Preço do petróleo começa a semana em alta

O barril de Brent do Mar do Norte para entrega em março subiu 0,85% a 55,88 dólares em Londres. Enquanto isso, o barril de WTI para entrega no mesmo prazo subiu 0,96%, a 52,77 dólares.