O maior importador de petróleo do mundo, a China, começou a liberar mais de 20 milhões de barris de petróleo bruto de sua reserva estratégica em um movimento visto como uma tentativa de conter a recente alta do preço do petróleo, informou a Energy Intelligence esta semana, citando fontes de comércio.

A liberação relatada da reserva estratégica de petróleo também visa colocar a inflação sob controle.

Várias fontes de mercado e comércio disseram à Energy Intelligence que a China estava prestes a liberar o equivalente a entre 22 milhões de barris e mais de 29 milhões de barris, ou entre 3 milhões e 4 milhões de toneladas.

Fontes com conhecimento dos planos da China também disseram à Bloomberg que o governo havia fornecido às refinarias no início deste mês 22 milhões de barris de petróleo bruto.

O petróleo bruto da reserva estratégica fornecida às refinarias chinesas deslocaria parte das importações de petróleo bruto do maior importador de petróleo do mundo.

As importações de petróleo bruto da China começaram a esfriar com a alta dos preços. Agora, o petróleo bruto liberado da reserva estratégica pode enfraquecer ainda mais as importações chinesas.

As importações de petróleo bruto da China caíram para cerca de 9,77 milhões de bpd em junho, queda de 2 por cento em maio e o menor nível mensal desde o início do ano, dados alfandegários citados pela Reuters mostraram na semana passada.

No primeiro semestre do ano, a China importou 260,66 milhões de toneladas de petróleo, ou 10,51 milhões de bpd, segundo estimativas da Reuters. Esta foi uma queda de 3 por cento em comparação com o primeiro semestre de 2020. O número do primeiro semestre foi impulsionado pelo aumento das importações por refinadores independentes.

Desde o primeiro trimestre, no entanto, Pequim começou a reprimir os bules, à medida que a produção de combustíveis tanto nas refinarias independentes quanto nas majors estatais aumentava mais rápido do que a demanda, minando as margens de refino e criando um excesso.

Por Tsvetana Paraskova para Oilprice.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Cade aponta práticas anticompetitivas de BR, Raízen e BP em querosene de aviação

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão regulador de proteção à concorrência no…

JV brasileira da Shell busca avaliação de US $ 13,5 bilhões em IPO

Uma joint venture entre a Royal Dutch Shell e a brasileira Cosan está buscando uma avaliação de até US $ 13,5 bilhões (70 bilhões de reais) quando for listada na bolsa de valores brasileira, informou a Bloomberg, citando fontes não identificadas.

Indicado para Petrobras faz obra paga por Itaipu com orçamento em dólar e livre de fiscalizações

Indicado de Jair Bolsonaro para o cargo de novo presidente da Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna atualmente é diretor-geral da Itaipu Binacional.