Sem a demanda extra da China, o mercado terá dificuldades para absorver esse petróleo (Imagem: REUTERS/Nerijus Adomaitis)

A recuperação do mercado global de petróleo em meio à pandemia de Covid-19 era visível do espaço, caso o observador soubesse onde olhar: apenas dois meses depois de os preços do petróleo caírem abaixo de zero, um grande número de superpetroleiros navegava para os portos da China – um reflexo das compras de tradings do país que aproveitavam barris a preços baixos.

Agora, o mercado físico de petróleo, onde os barris reais são comercializados, aposta que clientes chineses voltarão a marcar presença. Na verdade, alguns já começam a entrar no mercado, depois de desacelerarem as compras em agosto e em setembro para absorver o volume recorde de petróleo que compraram no início do ano.

“A China está absorvendo barris em um ritmo sem precedentes”, disse Michael Tran, estrategista de commodities da RBC Capital Markets. O país “apresentou uma impressionante recuperação pós-Covid, desempenhando indiscutivelmente o papel mais importante para ajudar a reequilibrar o mercado global de petróleo”.

Para a Arábia Saudita, a Rússia e o restante da aliança Opep+, a China é fundamental para seus planos. Em menos de dois meses, o cartel deve decidir se vai eliminar gradualmente os cortes de produção, potencialmente adicionando dois milhões de barris por dia de oferta extra em janeiro.

Sem a demanda extra da China, o mercado terá dificuldades para absorver esse petróleo.

Operadores físicos de petróleo das Américas, Europa, Rússia, África Ocidental, Mediterrâneo e Mar Negro dizem que as importações da China têm sido moderadas recentemente, embora com sinais de aumento das compras para entrega a partir de janeiro.

Além disso, o mercado soube nesta semana que um braço da megarefinaria chinesa Rongsheng Petrochemical comprou pelo menos 7 milhões de barris de petróleo do Oriente Médio para sua unidade ampliada na província de Zhejiang.

Se as compras da China forem retomadas após o feriado da Semana Dourada no início deste mês, especialmente com margens de refino aparentemente mais saudáveis, isso poderia sustentar os diferenciais para o petróleo ESPO do leste asiático e Omã do Oriente Médio, disse a Energy Aspects em relatório de 12 de outubro.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Bolsonaro anuncia redução de R$ 0,04 no PIS/Cofins do diesel

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta terça-feira (13) que haverá uma redução de quatro centavos no PIS-Cofins cobrado sobre o litro do diesel combustível, passando de R$ 0,31 para R$ 0,27.

ETANOL/CEPEA: Demanda se aquece, mas preço continua em queda

Distribuidoras estiveram mais ativas no mercado spot de etanol do estado de…

Preços dos combustíveis automotivos voltam a subir em maio, mostra Ticket Log

Os preços dos combustíveis automotivos voltaram a subir em maio, nos postos revendedores, segundo o Índice de Preços Ticket Log (IPTL). O Sudeste continua a ser a região onde é vendida a gasolina mais cara do País e onde os porcentuais de alta do óleo diesel e do etanol foram os mais elevados neste mês.

Minoritário eleito para conselho da Petrobras vai renunciar para forçar novo pleito

Com críticas ao resultado da assembleia de acionistas realizada pela Petrobras nesta segunda (12), investidores minoritários decidiram tentar nova estratégia para ampliar o número de cadeiras no conselho de administração da estatal.