Sem a demanda extra da China, o mercado terá dificuldades para absorver esse petróleo (Imagem: REUTERS/Nerijus Adomaitis)

A recuperação do mercado global de petróleo em meio à pandemia de Covid-19 era visível do espaço, caso o observador soubesse onde olhar: apenas dois meses depois de os preços do petróleo caírem abaixo de zero, um grande número de superpetroleiros navegava para os portos da China – um reflexo das compras de tradings do país que aproveitavam barris a preços baixos.

Agora, o mercado físico de petróleo, onde os barris reais são comercializados, aposta que clientes chineses voltarão a marcar presença. Na verdade, alguns já começam a entrar no mercado, depois de desacelerarem as compras em agosto e em setembro para absorver o volume recorde de petróleo que compraram no início do ano.

“A China está absorvendo barris em um ritmo sem precedentes”, disse Michael Tran, estrategista de commodities da RBC Capital Markets. O país “apresentou uma impressionante recuperação pós-Covid, desempenhando indiscutivelmente o papel mais importante para ajudar a reequilibrar o mercado global de petróleo”.

Para a Arábia Saudita, a Rússia e o restante da aliança Opep+, a China é fundamental para seus planos. Em menos de dois meses, o cartel deve decidir se vai eliminar gradualmente os cortes de produção, potencialmente adicionando dois milhões de barris por dia de oferta extra em janeiro.

Sem a demanda extra da China, o mercado terá dificuldades para absorver esse petróleo.

Operadores físicos de petróleo das Américas, Europa, Rússia, África Ocidental, Mediterrâneo e Mar Negro dizem que as importações da China têm sido moderadas recentemente, embora com sinais de aumento das compras para entrega a partir de janeiro.

Além disso, o mercado soube nesta semana que um braço da megarefinaria chinesa Rongsheng Petrochemical comprou pelo menos 7 milhões de barris de petróleo do Oriente Médio para sua unidade ampliada na província de Zhejiang.

Se as compras da China forem retomadas após o feriado da Semana Dourada no início deste mês, especialmente com margens de refino aparentemente mais saudáveis, isso poderia sustentar os diferenciais para o petróleo ESPO do leste asiático e Omã do Oriente Médio, disse a Energy Aspects em relatório de 12 de outubro.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Gasolina cai 7,1% em abril após um mês de isolamento social; diesel cede 5,4%

Apesar da redução, preço dos combustíveis ainda está bem abaixo da queda praticada pela Petrobras nas refinarias, que já chega a 50%

ANP mantém proibição de venda de etanol entre distribuidoras

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) renovou, por…

Preço médio da gasolina nas bombas sobe quase 5% e encerra 2019 em R$ 4,55 por litro, segundo ANP

No fim de 2018, litro custava em média R$ 4,34. No ano, etanol foi o combustível que sofreu o maior reajuste, com alta de 11,5%.

Preço do petróleo atinge nível mais alto desde 13 de abril, com procura a mostrar sinais de recuperação

Em Londres, barril do tipo Brent é negociado por volta de US$ 32.