General da reserva Joaquim Silva e Luna assume a presidência da Petrobras nesta sexta-feira (16) (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O Conselho de Administração da Petrobras, renovado em assembleia de acionistas na última segunda-feira, reúne-se nesta sexta-feira para o último passo do que o mercado considerou uma intervenção do presidente Jair Bolsonaro na maior estatal do país: a nomeação do general da reserva Joaquim Silva e Luna para a presidência da empresa.

Luna, que foi eleito um dos sete representantes do governo no conselho — que tem 11 cadeiras — deve ser eleito presidente da estatal em substituição a Roberto Castello Branco, que foi demitido em meio à insatisfação de Bolsonaro com a política de preços de combustíveis da estatal. O executivo foi destituído formalmente na segunda-feira.

O que Luna pretende fazer com o sistema de reajuste dos preços dos combustíveis para agradar o presidente e evitar prejuízos para a companhia que desagradem aos acionistas minoritários é uma das principais dúvidas do mercado.

Mas há outros desafios à frente para o general. Confira os 5 principais :

  1. Nova diretoria
    Com a demissão de Castello Branco, quatro dos oito diretores colocaram seus cargos à disposição. O general já indicou que pretende recrutar nomes internamente
    para promover uma transição suave na empresa.

Ele vai precisar de executivos para as áreas de Exploração e Produção, Desenvolvimento da Produção, Comercialização e Logística e Finanças e Relacionamento com Investidores, entre outras.

Silva e Luna também já indicou que quer o fim do home office para a diretoria. Ele próprio já despacha na sede da estatal, no Centro do Rio.

  1. Política de preços
    Especialistas e analistas de mercado esperam que a política de preços de combustíveis passe por alterações.

Atualmente a estatal vem acompanhando, com reajustes frequentes, as variações das cotações do petróleo no mercado internacional e do câmbio. Assim, desde janeiro, a
gasolina acumula alta de cerca de 40%; e o diesel subiu 30%, sem contar o aumento anunciado na quinta-feira.

O desafio do general será alterar essa política sem expor a empresa a grandes perdas financeiras, o que vai desagradar acionistas minoritários e penalizar o valor de mercado da companhia na Bolsa.

  1. Mercado de gás
    Quando a Petrobras anunciou a recente alta de 39% no preço do gás canalizado para as distribuidoras, o presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer uma dura crítica à política de preços da Petrobras. E indicou que pode haver mudanças.

Embora a Nova Lei do Gás tenha passado pelo Congresso, e a estatal tenha assinado acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para abrir espaço para a concorrência no setor, especialistas lembram que as empresas privadas não conseguem acessar os espaços ociosos dos gasodutos, o que poderia reduzir os preços.

Hoje, mesmo com a venda de alguns gasodutos da Petrobras, a estatal tem contrato de uso dessas redes com as empresas que compraram esses ativos, e as negociações com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) não avançam.

  1. Venda de ativos
    Silva e Luna terá o desafio de manter o programa de venda de negócios para reduzir o alto endividamento da empresa, mas o plano enfrenta forte oposição dos sindicatos de petroleiros.

No fim de março, o Conselho de Administração da Petrobras aprovou a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia, para o Mubadala, fundo de investimento dos Emirados Árabes. O fundo vai pagar US$ 1,65 bilhão pela unidade.

Agora, a dúvida é se a nova gestão vai manter o cronograma de venda de ativos como forma de reduzir o endividamento. A meta da estatal hoje é se desfazer entre US$ 25 bilhões e US$ 35 bilhões até 2025.

  1. Investimento além do pré-sal
    Há uma expectativa de que a nova gestão da empresa volte a fazer investimentos além do pré-sal, desenvolvendo projetos em diferentes partes do Brasil.

Atualmente, a empresa está focada no desenvolvimento dos campos de alta produtividade do pré-sal na Bacia de Santos.

Para os próximos anos, a Petrobras pretende fazer investimentos anuais entre US$ 10 bilhões e US$ 12 bilhões.

Fonte: EXAME

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Minerva Biodiesel adere ao programa Renovabio

A Minerva Biodiesel, unidade produtora de biodiesel da Minerva Foods, líder em exportação de carne bovina na América do Sul e uma das maiores empresas na produção e comercialização de carne in natura e seus derivados na região, aderiu ao RenovaBio – programa de descarbonização do setor de combustíveis, que faz parte da Política Nacional de Biocombustível.

Em primeira queda desde maio, vendas de etanol recuam em novembro

As vendas de etanol hidratado (que abastece diretamente os tanques) das distribuidoras…

Petróleo fecha no maior valor desde março com dólar fraco

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta terça-feira, 15, impulsionados…

Setor de biodiesel do Brasil quer antecipar mistura de 13% ao diesel para 1º de julho

O setor de biodiesel está pleiteando junto ao governo a antecipação da mistura de 13% do biocombustível ao diesel para 1º de julho.