Combustíveis em alta: Etanol aumenta mais que gasolina e aperta competitividade

Na semana de 06 a 12 de outubro, os preços dos combustíveis nos postos brasileiros tiveram novos aumentos: é o terceiro consecutivo para o etanol e o quinto para a gasolina. As altas aconteceram após a Petrobras ter elevado o preço da gasolina por três vezes no mês passado – os repasses para os postos podem demorar a chegar, sendo também influenciados por impostos, margens de distribuição e revenda e pela mistura de biocombustíveis.

De acordo com os dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o índice que mede a relação entre os preços dos dois combustíveis nos postos ficou em 66% na semana.

O preço médio da gasolina passou de R$ 4,373 por litro para R$ 4,382/l um acréscimo de 0,21%. Já o do etanol saiu de R$ 2,873/l e foi para R$ 2,892/l, um aumento de 0,66%. Além disso, as elevações foram mais expressivas que na semana anterior, quando a gasolina havia ampliado em 0,11% e o etanol 0,10%.

Variação nos estados

De acordo com a ANP, o preço do etanol nos postos aumentou em 14 estados, diminuiu em nove estados e no Distrito Federal e se manteve em três. Já o preço médio da gasolina aumentou em 17 estados e diminuiu em 10 e no Distrito Federal.

Com as variações observadas nos últimos meses, o biocombustível segue competitivo em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e no Paraná. Com a exceção do primeiro, nos demais estados o etanol apresenta valores abaixo de R$ 3,00 nas bombas.

São Paulo, estado que mais produz e consome etanol no país, apresentou aumento de 0,53% para o renovável e uma redução de 0,15% para a gasolina. Assim, apesar de ter subido para 64,7%, a relação entre os preços se manteve favorável ao renovável.

Já Mato Grosso apresentou uma queda de 2,92% para o etanol, tendo o menor valor médio do país para o renovável, com R$ 2,561/l. No estado, a gasolina reduziu em 0,02%, fazendo com que a relação entre os preços caísse para 57%. Desta forma, o biocombustível vendido nos postos mato-grossenses se mantém como o mais competitivo do país.

Em Minas Gerais, o etanol subiu 1,26% enquanto a gasolina subiu 0,56%. Desta forma, a relação entre os preços subiu para 63,3%, ainda favorável ao biocombustível.

Goiás registrou o aumento de 3,16% para o renovável, que chegou a R$ 3,070/l. Com a elevação de 0,68% no preço da gasolina, a relação entre os valores aumentou para 66,9% – ainda competitiva para o renovável.

No Paraná, o etanol teve um aumento de 0,14%, enquanto a gasolina subiu 0,07%, o que fez com que a relação entre eles ficasse em 69,1%. O estado apresenta o segundo indicador mais alto dentre os seis grandes estados produtores – Mato Grosso do Sul, com índice de 81,8%, não apresenta etanol competitivo.

Usinas

Entre as usinas, as unidades de Goiás e São Paulo continuam apresentando uma sequência de aumentos para o etanol. Já Mato Grosso, que registrou queda na semana anterior, voltou a registrar um crescimento no preço de venda do biocombustível.

O Indicador Cepea-Esalq do etanol hidratado no estado paulista mostra que sua cotação subiu 1,79%, com o combustível subindo de R$ 1,7686/l para R$ 1,8004/l, em média.

Mato Grosso, por sua vez, teve aumento de 0,82% na cotação do etanol hidratado em relação à última análise. E, em Goiás, a cotação do etanol nas usinas subiu novamente 0,12% entre as duas últimas semanas.

Fonte: novaCana.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo despenca até 13% e WTI fica abaixo de US$ 70, com temor por nova cepa

Os contratos futuros do petróleo despencaram nesta sexta-feira, 26, com recuo de até 13%. Tanto em Nova York, quanto em Londres os ativos tiveram o pior desempenho desde o início de setembro, com o WTI tendo perdido a marca dos US$ 70.

Governo vende 55 milhões de barris de petróleo do pré-sal por R$ 25 bilhões

A PPSA (Pré-Sal Petróleo SA) vendeu nesta sexta-feira (26) 55 milhões de barris de petróleo do pré-sal que pertencem à União. Pelas cotações atuais, o leilão representa uma arrecadação de R$ 25 bilhões para o governo federal no prazo de cinco anos.

Opep+ monitora nova variante da Covid-19, com receios sobre perspectiva, dizem fontes

A Opep+ está monitorando os desenvolvimentos em torno da nova variante do coronavírus, disseram fontes nesta sexta-feira, com alguns expressando preocupação de que isso possa piorar as perspectivas do mercado de petróleo menos de uma semana antes de uma reunião para definir política.