“Refinaria Abreu e Lima é uma das que serão vendidas pela Petrobras.”

“O monopólio no mercado de refino de petróleo no Brasil é um produto da década de 50 que só agora começa a ser desmantelado. Na última semana, a Petrobras assinou um termo com o Cade pelo qual se compromete a vender oito de suas 15 refinarias. Ao se desfazer desses ativos, a estatal abre mão de ser dona de 98% do mercado de refino e dará espaço para concorrentes.

A assinatura do termo com o Cade é um avanço em um dos mercados que mais sofrem intervenção estatal no Brasil. Criada na década de 50, a Petrobras deteve o monopólio da produção de petróleo até 1997. Mesmo com a abertura de mercado, a companhia ainda é operadora de quase 90% da produção brasileira, o que demonstra a lentidão com que o mercado muda.

No refino, a estatal joga praticamente sozinha. Seu poder de mercado barra a entrada de investimentos privados e dá poder desproporcional ao governo, que pode influenciar diretamente um dos preços mais importantes da economia. Foi o que fizeram os governos do PT, que tentaram segurar a inflação deixando o preço dos combustíveis abaixo do praticado no mercado internacional.

O movimento de desestatização do refino, portanto, poderá influenciar positivamente investimentos e dará uma nova dinâmica aos preços de combustíveis, que passarão a oscilar de maneira mais “colada” ao mercado internacional. Os distribuidores passarão a ter mais opções para comprar os combustíveis, repassando possíveis ganhos de eficiência aos consumidores.”

“Os benefícios do fim do monopólio serão limitados pelos detalhes do processo de desinvestimento. A Petrobras escolheu a dedo quais ativos manter: ficará com as “joias da coroa”, como tratam os analistas do setor de petróleo, localizadas no Sudeste. São as maiores e mais próximas aos mercados consumidores mais densos. Ali, continuará a valer um monopólio branco, já que a estatal continuará a ter um poder de mercado capaz de decidir preços.

Para as oito refinarias que serão vendidas, o Cade exigiu que não haja concentração regional. Assim, quem comprar a unidade localizada no Paraná estará automaticamente de fora do leilão de refinarias no Rio Grande do Sul. O mesmo vale para outros polos localizados em regiões próximas. No mínimo, essas refinarias vão concorrer com a própria Petrobras, seja com a produção própria ou a importação feita por sua extensa infraestrutura de terminais portuários e dutos.

A extensão dos benefícios da desestatização também depende de quem vai comprar os ativos. Um estudo do Cade publicado no ano passado ponderou que, se a compra for feita por uma grande distribuidora, por exemplo, poderá haver uma concentração de poder de mercado que pode impor barreiras à concorrência em sua área de influência. O ideal seria que as refinarias ficassem com agentes que não estão nesse mercado, como fundos de investimento.

É mais fácil de prever que o governo perde o poder de usar a Petrobras para fazer política com o preço dos derivados. Esse parece ser um ganho importante o suficiente para justificar a venda das refinarias. Seria melhor se fossem todas elas, o que quebraria totalmente o atalho entre o Palácio do Planalto e o valor cobrado nas bombas.

Na frente de investimentos, não devemos esperar a construção de novas refinarias no curto prazo. Isso porque há um excesso de capacidade de produção em nível global – segundo a International Energy Agency (IEA), até 2023 haverá um aumento de 7 milhões de barris/dia na capacidade instalada, contra um crescimento de pouco mais de 5 milhões de barris/dia na demanda.

Esse excesso de oferta já afeta o mercado brasileiro. As refinarias da Petrobras operam com 80% da capacidade, de 2,3 milhões de barris/dia. Importamos 450 mil barris/dia de derivados para fechar déficits na produção de derivados específicos (óleo diesel, por exemplo) e atender mercados onde a logística favorece a entrada de importados.

É muito provável que o investimento novo seja inicialmente na logística de importação de derivados. O aumento na capacidade de refinarias viria apenas com a segurança de que o mercado estará por fim livre da intervenção estatal em preços e com o aumento da competitividade do país. A sombra do monopólio de décadas continuará a estar nas bombas de combustíveis por algum tempo ainda.”

Fonte: Gazeta do Povo

Total
14
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VOCÊ PODE GOSTAR

Venda direta de etanol aos postos tem consenso no governo, diz ministra

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que estão avançados os estudos…

Preço do óleo diesel passará a ter reajustes quinzenais, diz Petrobras

A Petrobras anunciou nesta terça (26) mudanças em sua política de preços…

Distribuidoras são investigadas por cartel de preço.

Segundo denúncia do MP, as três grandes redes distribuidoras de combustíveis integram um cartel que majora os preços dos derivados de petróleo e lesam o cliente

ANP informa ao CADE manipulação de preços no mercado de combustíveis

09/04/2019 – A Agência Nacional do Petróleo (ANP) encaminhou para o Conselho…