Foto: Reprodução

O Congresso da Argentina, um dos maiores exportadores de grãos no mundo, aprovou nesta sexta-feira uma lei que permite a redução na quantidade de biocombustíveis a ser misturada ao diesel e à gasolina.

O país, um dos principais exportadores de biodiesel feito de óleo de soja, desenvolveu uma indústria de biocombustíveis próspera graças à sua produção de grãos e o apoio do Estado para que os biocombustíveis fossem usados em combinação com o combustível automotivo.

A regulação, visando a garantia do uso sustentável de biocombustíveis no diesel e gasolina, foi aprovada pelo Senado da Argentina. Ela já havia passado pela Câmara do Congresso.

A medida prevê um uso mínimo de biodiesel de 5%, que poderia cair para 3%, no diesel para venda ao público, ante 10% anteriores.

A nova lei, promovida pelo partido governista peronista, busca promover os biocombustíveis a terem um “um horizonte de médio e longo prazo para continuar a sua expansão”, disse o secretário de Energia, Dario Martinez, em nota enviada a jornalistas. 

Fonte: Reuters (16/07)

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Os Futuros do Petróleo caíram durante a sessão dos Estados Unidos

Na Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros do Petróleo em Abril foram negociados na entrega a US$ 65,22 por barril no momento da escrita, caindo 0,59%.

Gasolina pode subir até 20%, diz Ativa Investimentos; reajuste deve demorar

O preço da gasolina comercializada pela Petrobras (SA:PETR4) tem potencial de alta de 20%, segundo a Ativa Investimentos de acordo com seus modelos de defasagem. O cálculo é baseado na diferença entre os preço do combustível no exterior e no Brasil, que também tem o peso da variação do dólar.

Reajustes da Petrobras reforçam tendência de alta de preços nos postos de combustíveis

Os aumentos de 6,3% no preço da gasolina e de 3,7% no diesel, válidos a partir de hoje nas refinarias da Petrobras, podem reforçar uma tendência inflacionária nas bombas dos postos que sido observada, nos últimos meses, independentemente da estratégia da estatal de segurar reajustes.