© Reuters.

Publicado originalmente em inglês em 18/03/2021

É importante determinar neste momento como uma eventual inflação nos EUA pode impactar os preços do petróleo.Petróleo semanalPetróleo semanal

Já faz um ano que os Estados Unidos iniciaram as medidas de bloqueio econômico em resposta ao coronavírus. Nesse ínterim, o governo federal aprovou pacotes de estímulos que somam US$ 4,8 trilhões.

Em essência, o governo está imprimindo mais dinheiro, mesmo com a dívida ultrapassando a marca de US$ 27 trilhões. Economistas acreditam que isso gerará inflação e causará a desvalorização do dólar.

Quando a moeda americana perde valor, os preços do petróleo são pressionados para cima. Em praticamente todos os casos, o petróleo é negociado globalmente em dólares, mesmo que nenhum dos lados da transação envolva americanos. Isso se deve à posição do dólar como moeda de reserva no mercado petrolífero.

Dessa forma, o valor do dólar tem correlação inversa com o preço do óleo bruto.

Considere, por exemplo, que o México deseje vender um barril de petróleo a US$ 65, o que equivale a cerca de 1345 pesos mexicanos ao câmbio de 1 dólar para 20 pesos. Mesmo que a moeda americana perca valor, de modo que a taxa de câmbio fique em 1 dólar para 18 pesos, evidentemente o desejo do México é preservar aqueles 1345 pesos por barril.

Para alcançar esse valor diante do novo câmbio, o país precisaria vender o barril a quase US$ 75. Para sermos claros, o México provavelmente não seria capaz de vender o barril ao preço de US$ 75, mas esse sentimento exerce pressão sobre os preços. É assim que a inflação nos EUA faz o valor do petróleo subir.

Inflação é um termo enganoso nos EUA. Ela é controlada por definições burocráticas e cálculos absurdos que não refletem de forma precisa as principais despesas do típico americano. Felizmente, para os investidores, a definição é mais simples.DXY SemanalDXY Semanal

Eles não precisam ficar de olho na “inflação” tal como o governo americano a define.  Basta que acompanhem o valor do dólar em comparação com as moedas dos principais países produtores e consumidores.

Isso permite determinar melhor se a inflação pressionará os preços ou não. Se o valor do dólar cair, é provável que haja uma pressão de alta sobre a cotação do óleo. (Obs.: não é preciso se dar ao trabalho de cotejar o valor do dólar com o rial saudita, já que a moeda do reino mantém uma taxa de câmbio constante de 1 dólar para 3,75 riais).

É preciso lembrar que a inflação não é o único elemento determinante da direção do preço do petróleo. Como sempre, a cotação do petróleo também é influenciada por números de produção, demanda, clima, eventos geopolíticos, dados de estoques, sazonalidade e pura especulação. A inflação é apenas um desses fatores capazes de movimentar os preços do petróleo.

Por isso, é importante ficar de olho nas taxas de câmbio para acompanhar as pressões inflacionárias sobre o petróleo.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

ETANOL/CEPEA: Demanda se aquece em janeiro, e valores se elevam

O volume de etanol hidratado comercializado e captado pelo Cepea no estado de São Paulo em janeiro cresceu 22% frente ao de dezembro/20, mas permaneceu 21,7% abaixo do de janeiro de 2020.

Preços dos combustíveis fecham em alta nos postos na 1ª semana útil de 2021

Os preços finais dos combustíveis para o consumidor brasileiro, nos postos, encerraram…

Petrobras reduz preço de diesel nas refinarias pela segunda vez no anos, mas alta é de 31% desde janeiro

A Petrobras anunciou hoje a segunda redução do preço do diesel no ano. A partir de amanhã, o preço do combustível nas refinarias vai cair para R$ 2,66 por litro. É uma redução de cerca de 3,2% ou R$ 0,08 por litro.

Demanda global por petróleo deve ter recuperação longa e incerta

Operadores petróleo acreditam que é provável que demore mais de um ano, e talvez muito mais, para que a demanda global atinja os níveis pré-pandemia