Consumidor se beneficia de defasagem de preço da Petrobras, diz Vibra

No mercado de combustíveis no Brasil, no qual as distribuidoras têm a Petrobras como grande fornecedora, os descontos de preços de derivados da estatal em relação aos valores internacionais são repassados aos consumidores nas bombas, disse o diretor financeiro da Vibra Energia, maior companhia de distribuição do país.

Em teleconferência dos resultados do primeiro trimestre, André Natal destacou que em um cenário de restrição da oferta global e alta nos valores internacionais “todos os players estão comprando tudo o que podem da Petrobras”, que tem vendido os derivados com descontos ante os valores globais de 15% ou 20%.

“Então, quando todo mundo tem acesso a isso, este desconto vai para o consumidor, ele não fica no bolso de ninguém”, disse ele, indicando que distribuidores não se apropriam desses valores em um mercado disputado.

A defasagem do preço da gasolina da Petrobras em relação aos valores internacionais está em cerca de 23%, enquanto no diesel, apesar do reajuste da semana passada, encontra-se em pouco mais de 10%, segundo o Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie).

A Petrobras afirma que trabalha com preços na paridade de importação, mas que não repassa imediatamente a volatilidade do mercado do petróleo.

A Vibra, maior importadora de combustíveis do Brasil, uma vez que a Petrobras não consegue fornecer toda a demanda dos clientes da distribuidora e de outras, está bem posicionada, disse Natal, uma vez que alguns players que atuam no Brasil estão afastados da importação devido às condições difíceis do mercado.

A conjuntura ressalta a importância de a Petrobras trabalhar com preços próximos da paridade de importação, uma vez que uma situação de desconto desestimula outros players menores a participar do abastecimento do mercado.

A própria Petrobras, ao ter questionada sua política de preços por autoridades, afirma a importância de preços alinhados ao exterior para ajudar no abastecimento local.

O diretor da Vibra disse ainda que a companhia, que importa o equivalente a cerca de 20% de suas vendas de combustíveis, tem sentido uma demanda acima do esperado pelos seus produtos.

Petróleo fecha em queda, com manutenção de plano da Opep+ no radar

Os contratos futuros do petróleo fecharam em baixa nesta quinta-feira, 30, enquanto operadores acompanharam a decisão da Organização de Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) de manter o atual plano de oferta. Movimentações do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, também estão no radar e investidores poderam o possível aumento na oferta da commodity.

Preço da gasolina tem redução em postos em SP, mostra pesquisa do Procon

O Procon-SP (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) realizou um monitoramento em postos de combustível da capital paulista e no interior do estado de São Paulo e constatou uma queda média de R$ 0,30 por litro no preço da gasolina comum em 477 postos.

Petróleo: Cotas Mais Altas da Opep+ Não Vão Aumentar Produção de Petróleo

É improvável que a Opep+ decida se desviar de seus planos de produção de petróleo existentes na reunião de hoje. No mês passado, surpreendeu o mercado ao aumentar as cotas de produção mais do que o esperado. No entanto, a maioria dos países da Opep+ já está produzindo em suas capacidades máximas agora, portanto, mesmo com cotas mais altas, não devemos esperar que muito mais petróleo chegue ao mercado produzidos por seus membros.