(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Mesmo após a redução de 2% nos preços da gasolina nas refinarias da Petrobras, que entrou em vigor na última quinta-feira, consumidores reclamam dos altos valores pagos pelo litro do combustível nos postos. De acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), desde o último domingo, o preço médio da gasolina no Distrito Federal foi de R$ 4,557. Nesse período, o menor preço registrado foi de R$ 4,289 e o maior, de R$ 4,699. O levantamento foi feito em 47 postos de combustível.

O auxiliar administrativo Bruno Costa, de 30 anos, afirma que tem sido cada vez mais difícil manter o carro abastecido, mesmo sendo um modelo considerado econômico. Ele é morador do Riacho Fundo II e percorre, diariamente, cerca de 70km para se ir e voltar do trabalho, no Plano Piloto. “A gasolina em Brasília está cara em praticamente todas as regiões. Eu abasteço muito no final do Setor Terminal Norte (STN), no Setor de Indústrias Gráficas e no Recanto das Emas, e o valor é o mesmo em todos, variam entre R$ 4,49 e R$ 4,69. Não há grande variedade de preços”, contou.

Bruno diz que gasta cerca de R$ 400 por mês com gasolina. Ele conta que tem a impressão de que os postos são rápidos para repassar altas de preços, mas demoram a reajustá-los quando há queda no valor praticado nas refinarias. “Meu trajeto é praticamente só linha reta, mas são trechos bem longos e com muito trânsito, o que gera um alto consumo. Um fator importante de se reparar é que quando há reajuste para aumento de preço nas refinarias, para o consumidor ele é quase que instantâneo, já quando diminui, percebo que leva até três dias para chegar às bombas”, lamentou.

No entanto, o presidente do Sindicombustíveis, Paulo Tavares, afirma que os postos não têm repassado todos os reajustes feitos pela Petrobras recentemente. Vale lembrar que na última semana de novembro, a estatal anunciou um aumento de 4% no preço da gasolina nas refinarias e de 5% no diesel.

“Em 12 de novembro, houve um aumento da Petrobras e, no dia 20, uma segunda alta. Esses dois aumentos geraram um acréscimo de R$ 0,17 no preço do litro da gasolina. Ontem, houve uma queda de R$ 0,02. Ou seja, nas últimas três semanas, houve um aumento de R$ 0,15. Entretanto, o preço médio praticado em Brasília pelos postos era em torno de R$ 4,64, chegou a baixar para R$ 4,59 e depois foi para R$ 4,68”, afirma. De acordo com a ANP, o valor médio na primeira semana de novembro foi de R$ 4,441; na semana seguinte, R$ 4,459. Entre 22 e 28 de novembro, no entanto, o preço médio saltou para R$ 4,584, maior valor do mês.

Nas refinarias, no acumulado do ano, os 39 ajustes da Petrobras apontam para uma diminuição de 11,4% no preço da gasolina. Foram 21 diminuições e 18 aumentos. De acordo com o Ato Cotepe, do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), publicado no Diário Oficial da União em 25 de novembro, o preço adotado pelos postos a partir de 1º de dezembro foi de R$ 4,589.

Fonte: Correio Braziliense

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Etanol continua competitivo em quatro estados; na média nacional, gasolina ganha

Os preços médios do etanol na semana encerrada no sábado (7) mostraram-se…

Opep vê coronavírus prejudicando recuperação da demanda por petróleo em 2021

A demanda global por petróleo vai se recuperar mais lentamente em 2021…

Demanda por petróleo deve se recuperar em até 6,5 mi bpd em 2021, diz CEO da Vitol

A demanda global por petróleo deve ter uma recuperação entre 6 milhões…

TRF-5 proíbe venda direta de etanol de usinas a postos de combustíveis em Pernambuco, Alagoas e Sergipe

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), sediado no Recife, declarou ilegal…