Corte na mistura do biodiesel reduzirá processamento de soja, diz ABIOVE

Esmagamento cairá 1,5% no país em 2021, projeta a entidade

A redução da mistura obrigatória do biodiesel no diesel comercial deverá inibir o processamento de soja no Brasil no restante do ano, avalia a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove). De acordo com o presidente da entidade, André Nassar, o esmagamento pode cair 1,5% em 2021 devido aos cortes na adição do biocombustível anunciados pelo governo – a mistura, que hoje é de 12%, será de 10% para o combustível a ser consumido nos meses de novembro e dezembro.

Segundo Nassar, como as margens para o esmagamento estão baixas, a soja que deixará de ser processada nos próximos meses ficará em estoque. A projeção da entidade é que o volume do grão armazenado no país no fim de 2021 chegue a 5,7 milhões de toneladas, quase o dobro da quantidade estocada no fim de 2020.

“Parte da soja vai virar estoque e deve sair para exportação em janeiro, no fim da safra americana, quando a maior parte da safra brasileira ainda não terá sido colhida”, afirmou Nassar ao Valor.

Os embarques do óleo de soja processado estão maiores neste ano do que em 2020, e isso é reflexo das oscilações da mistura, diz Nassar. De janeiro a agosto de 2021, foram enviados ao exterior 1,06 milhão de toneladas, volume superior às 996 mil toneladas do mesmo período do ano passado. A estimativa da Abiove é que as exportações do derivado cheguem a 1,2 milhão de toneladas neste ano, 100 mil toneladas a mais do que em 2020.

De acordo com a Abiove, o processamento de soja no Brasil cresceu 1,6% em julho na comparação com o mesmo período do ano passado, para 3,74 milhões de toneladas. Já no acumulado dos sete meses de 2021, o esmagamento diminuiu 1,3%, para 23,3 milhões de toneladas. Como os números de 2021 ainda podem sofrer ajustes e, por enquanto, representam 85% do processamento no país, a associação utilizou um cálculo por amostragem para realizar os comparativos com 2020.

Nassar reclamou da nova redução promovida pelo governo para o leilão que será realizado em outubro. Segundo ele, o preço do óleo de soja não está em alta e deverá se manter estável até lá. “Com menor volume de biodiesel, vai aumentar a participação do diesel fóssil no combustível comercial, vendido na ponta. Vai reduzir o custo com o biodiesel, que vai estar subsidiando o consumo do diesel”, afirmou.

Projeções para 2021
A Abiove, que reúne as principais tradings de commodities, elevou em 400 mil toneladas, para 137,9 milhões, sua estimativa para a produção de soja em grão no país em 2021. O volume é 7,7% maior que o registrado no ano passado e, caso se confirme, será um recorde histórico.

Para as exportações, a entidade prevê agora 86 milhões de toneladas em 2021, volume abaixo do cálculo do mês passado, de 86,7 milhões. Mesmo assim, o número ainda está bem acima das 82,97 milhões de toneladas enviadas ao exterior em 2020. Até agosto deste ano, os embarques somaram 72,7 milhões de toneladas.

Segundo a entidade, as importações devem crescer 9,5% neste ano e chegar a 900 mil toneladas. Com esse movimento, a Abiove projeta estoques finais de 5,76 milhões de toneladas em 2021, 98,1% a mais do que no fim de 2020. No mês passado, a estimativa foi de 4,16 milhões de toneladas.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).