Imagem: adobstock.com

Em sua reunião do início de dezembro, a Opep+ concordou em mudar a periodicidade das suas reuniões ministeriais de semestrais para mensais, nas quais os membros avaliarão a produção de petróleo para o mês seguinte. Com isso, a aliança se reuniu no início desta semana, 4 de janeiro, para avaliar sua oferta em fevereiro.

A reunião gerou controvérsia. A Rússia pressionou a Opep+ a aumentar a produção em 500.000 barris por dia (bpd), enquanto a Arábia Saudita defendeu que a produção se mantivesse estável.

A Opep+ surpreendeu os mercados ao anunciar que a Rússia e o Cazaquistão teriam permissão para elevar suas produções em fevereiro e março em 75.000 bpd no total, Todos os outros produtores manteriam seus níveis atuais de oferta.

Entretanto, na coletiva de imprensa, o ministro do petróleo da Arábia Saudita, o príncipe Abdulaziz bin Salman, “surpreendeu” ao anunciar que seu país cortaria voluntariamente sua produção em 1 milhão de bpd em fevereiro e março. Também fez referência a um corte adicional voluntário de 425.000 bpd de outros produtores árabes, sem fornecer maiores detalhes.

O mercado de petróleo se mostrou grato com a “surpresa”. Os barris de Brent e WTI se valorizaram 5% na terça-feira, mas o movimento de alta foi pequeno na quarta.

Confira 4 implicações que esse movimento pode ter no mercado.

  1. Melhora a perspectiva para produtores dos EUA
    Sem dúvida essa “surpresa” saudita caiu como um presente no colo dos produtores americanos. A indústria petrolífera americana passou por uma significativa consolidação em 2020 e obteve ainda mais ganhos de eficiência.

O processo ainda está em andamento, e a produção dos EUA deve cair. Entretanto, ainda há empresas produzindo nas importantes regiões de shale oil com boa capitalização e posição privilegiada para tirar vantagem dos aumentos de preço concedidos pelos sauditas.

A expectativa é que a oferta desses produtores cresça à medida que a cotação do petróleo suba. Ainda não se sabe se isso será suficiente para compensar outros declínios na produção americana, mas já há empresas cogitando elevar o número de sondas.

  1. Exportações sauditas não devem cair
    A Arábia Saudita reduzirá sua produção em 1 milhão de bpd, mas a Aramco (SE:2222), petrolífera estatal do país, ainda tem em estoque uma grande quantidade de petróleo para garantir o atendimento da demanda dos seus clientes. Se necessário, a Aramco complementará a oferta com os estoques existentes.

A empresa já elevou os preços oficiais de venda para clientes asiáticos. Com isso, consumidores sem contratos de longo prazo com a estatal saudita podem buscar no mercado preços mais baixos, principalmente do Iraque e dos Estados Unidos.

  1. Arábia Saudita tenta influenciar o mercado, mas estratégia não deve funcionar
    A intenção do príncipe Abdulaziz com o anúncio dos cortes foi impulsionar “preventivamente” o mercado caso os governos continuem impondo bloqueios contra o coronavírus depois de janeiro. Entretanto, o fato é que a Arábia Saudita está tentando influenciar o mercado à frente da Opep+, mas não deve ter sucesso nessa posição por muito tempo.

Essa estratégia só tem efeito quando não há capacidade ociosa para substituir a redução de oferta. A realidade é que existe hoje capacidade ociosa de sobra nos EUA, Iraque, Rússia e outros países. A Arábia Saudita já tentou fazer isso antes, na década de 1980, quando cortou sua produção para dar suporte aos preços, e não obteve sucesso.

A Arábia Saudita e a Aramco perderam muito dinheiro naquele momento por causa dessa ação. Depois de aprender com essa experiência, os últimos ministros do petróleo do país, Ali al-Naimi e Khalid al-Falih, recusaram-se a cortar a produção saudita a menos que todos os outros membros do cartel fizessem o mesmo. Agora que a Rússia pode elevar sua produção, o grande corte da Arábia Saudita está sendo visto como uma ação para compensar a oferta russa.

Isso pode se tornar um precedente no futuro, minando a integridade do grupo Opep+. Em algum momento, a Arábia Saudita deve parar de tentar compensar a produção de outros países.

  1. Outros produtores do cartel devem continuar trapaceando
    A Arábia Saudita vinha jogando duro com países que superavam suas cotas de produção em 2020. Entre as exigências estava a necessidade de cortar a produção para compensar as violações passadas.

Esse esquema de compensação teve relativo êxito, mas superprodutores crônicos, como Rússia, Cazaquistão e Iraque, nunca aderiram de fato às suas cotas. Agora que a Arábia Saudita demonstrou disposição para cortar sua extração para compensar as elevações de outros produtores, enfrentará ainda mais dificuldades para forçar países como Iraque e Nigéria a respeitar suas cotas.

É bem provável que vejamos um aumento de produção de alguns países da Opep+ em fevereiro e março. A Opep+ provavelmente divulgará números melhores que 100% para a adesão do grupo, por causa da compensação gerada pelos cortes de produção da Arábia Saudita.

Fonte: investing.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Importação de petróleo pela Índia tem máxima de quase 3 anos em dezembro

As importações de petróleo pela Índia avançaram em dezembro para os maiores níveis em quase três anos, atingindo mais de 5 milhões de barris por dia (bpd), à medida que refinarias locais ampliavam operações para atender a uma recuperação na demanda por combustíveis, mostraram dados de fontes comerciais.

Venda direta da usina ao posto não diminuirá preço do etanol em Ribeirão Preto, dizem especialistas

Representantes do mercado do etanol na região de Ribeirão Preto (SP) dizem…

Novo “diesel verde” chega ao setor como resposta a má fama do petróleo

Em alta no mundo, o diesel renovável, que reaproveita insumos como óleo de fritura, é uma resposta do setor de óleo e gás para a má fama do petróleo