Petróleo encerra a semana com aumento.

Cotação do Petróleo 02/07/2018

O Brent (Londres) encerrou a ultima semana com aumento de 4,97%, cotado a US$ 79,44/bpd. Acumulado do mês de Junho/18 foi de aumento de 23,68%.

O WTI (EUA) encerrou a ultima semana com aumento de 6,87%, cotado US$ 74,15/bpd. Acumulado do mês de Junho/18 foi de aumento queda de 10,52%.

Veja o gráfico abaixo das movimentações do petróleo durante o mês de Junho.

Conforme noticiou o Investing.com, o ouro negro subiu rapidamente na ultima depois que os produtores da Opep e externos à organização concordaram com um aumento modesto na produção a partir do próximo mês, sem anunciar uma meta clara para o aumento da produção.

Conforme explicado pela Opep no comunicado de imprensa conjunto, seus membros haviam excedido o nível exigido de conformidade pelo acordo de 30 de novembro de 2016 para reduzir a produção.

Ao chegar a 152% de conformidade em maio, a Opep concordou na sexta-feira passada em se esforçar para reduzir essa conformidade para 100%.

O cartel observou que não havia alocações específicas para membros individuais, pois alguns países que não tinham capacidade ociosa não poderiam aumentar a produção.

A Arábia Saudita, líder efetivo da Opep, disse no sábado que a medida se traduziria em um aumento nominal de produção de cerca de 1 milhão de barris por dia.

No entanto, interrupções não planejadas de fornecimento da Líbia, Venezuela e, mais recentemente, uma paralisação no Syncrude do Canadá, que sobrecarregou especialmente os mercados norte-americanos, juntamente com as sanções dos EUA contra o Irã, exportador da Opep, estão levando os investidores a apostarem que o aumento na produção não será capaz de neutralizar a demanda crescente.

Essa crença levou especialistas consultados pela Reuters a aumentarem suas projeções para os preços do petróleo.

De acordo com a pesquisa de 35 economistas e analistas divulgada na sexta-feira, o Brent terá uma média de US$ 72,58 por barril em 2018, US$ 0,90 acima dos US$ 71,68 previstos na pesquisa do mês passado e comparado com a média de US$ 71,15 até o momento neste ano.

A pesquisa mensal mostra que os contratos futuros de petróleo dos EUA estão sendo negociados em média de US$ 66,79 o barril em 2018, em comparação com a previsão de US$ 66,47 no mês passado.

Ainda nesta sexta-feira, investidores voltarão suas atenções para a produção dos EUA com a última apresentação da leitura semanal de atividade de extração da Baker Hughes.

Embora a leitura da semana passada tenha mostrado que o número de plataformas de petróleo dos EUA caiu pela primeira vez em semanas, o número permanece apenas uma plataforma abaixo da máxima de março de 2015, registrada na semana anterior.

Em outras negociações de energia, os contratos futuros de gasolina avançavam 2,2% para US$ 2,1474 o galão às 11h56, ao passo que o óleo de aquecimento tinha alta de 1,5% e era negociado a US$ 2,2111 o galão.

Por fim, os contratos futuros de gás natural recuavam 0,8%, para US$ 2,918 por milhão de unidades térmicas britânicas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.