Petróleo encerra a semana com aumento.

Cotação do Petróleo 02/07/2018

O Brent (Londres) encerrou a ultima semana com aumento de 4,97%, cotado a US$ 79,44/bpd. Acumulado do mês de Junho/18 foi de aumento de 23,68%.

O WTI (EUA) encerrou a ultima semana com aumento de 6,87%, cotado US$ 74,15/bpd. Acumulado do mês de Junho/18 foi de aumento queda de 10,52%.

Veja o gráfico abaixo das movimentações do petróleo durante o mês de Junho.

Conforme noticiou o Investing.com, o ouro negro subiu rapidamente na ultima depois que os produtores da Opep e externos à organização concordaram com um aumento modesto na produção a partir do próximo mês, sem anunciar uma meta clara para o aumento da produção.

Conforme explicado pela Opep no comunicado de imprensa conjunto, seus membros haviam excedido o nível exigido de conformidade pelo acordo de 30 de novembro de 2016 para reduzir a produção.

Ao chegar a 152% de conformidade em maio, a Opep concordou na sexta-feira passada em se esforçar para reduzir essa conformidade para 100%.

O cartel observou que não havia alocações específicas para membros individuais, pois alguns países que não tinham capacidade ociosa não poderiam aumentar a produção.

A Arábia Saudita, líder efetivo da Opep, disse no sábado que a medida se traduziria em um aumento nominal de produção de cerca de 1 milhão de barris por dia.

No entanto, interrupções não planejadas de fornecimento da Líbia, Venezuela e, mais recentemente, uma paralisação no Syncrude do Canadá, que sobrecarregou especialmente os mercados norte-americanos, juntamente com as sanções dos EUA contra o Irã, exportador da Opep, estão levando os investidores a apostarem que o aumento na produção não será capaz de neutralizar a demanda crescente.

Essa crença levou especialistas consultados pela Reuters a aumentarem suas projeções para os preços do petróleo.

De acordo com a pesquisa de 35 economistas e analistas divulgada na sexta-feira, o Brent terá uma média de US$ 72,58 por barril em 2018, US$ 0,90 acima dos US$ 71,68 previstos na pesquisa do mês passado e comparado com a média de US$ 71,15 até o momento neste ano.

A pesquisa mensal mostra que os contratos futuros de petróleo dos EUA estão sendo negociados em média de US$ 66,79 o barril em 2018, em comparação com a previsão de US$ 66,47 no mês passado.

Ainda nesta sexta-feira, investidores voltarão suas atenções para a produção dos EUA com a última apresentação da leitura semanal de atividade de extração da Baker Hughes.

Embora a leitura da semana passada tenha mostrado que o número de plataformas de petróleo dos EUA caiu pela primeira vez em semanas, o número permanece apenas uma plataforma abaixo da máxima de março de 2015, registrada na semana anterior.

Em outras negociações de energia, os contratos futuros de gasolina avançavam 2,2% para US$ 2,1474 o galão às 11h56, ao passo que o óleo de aquecimento tinha alta de 1,5% e era negociado a US$ 2,2111 o galão.

Por fim, os contratos futuros de gás natural recuavam 0,8%, para US$ 2,918 por milhão de unidades térmicas britânicas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).