Petróleo encerra a semana anterior em queda.

Cotação do Petróleo 16/07/2018

O Brent (Londres) encerrou a ultima semana com queda de 2,01%, cotado a US$ 75,03/bpd. Acumulado do mês de Julho/18 é de queda de 4,98%.

O WTI (EUA) encerrou a ultima semana com queda de 3,69%, cotado US$ 71,01/bpd. Acumulado do mês de Julho/18 é de queda de 4,17%.

Veja o gráfico abaixo das movimentações do petróleo durante o mês de Julho.

Segundo a Investing.com para esta semana, As perspectivas de oferta global permanecerão em destaque no mercado de petróleo na próxima semana após os preços terem apresentado fortes perdas na semana passada em meio a apostas reduzidas de uma escassez global de petróleo.

A cotação do petróleo estava perto de US$ 80 o barril no final de junho e início de julho devido a interrupções na oferta da Líbia e temores de que os EUA pressionariam todos os compradores de petróleo iraniano a reduzirem as importações para zero a partir de novembro, quando os EUA reimpõem sanções contra Teerã.

Mas os preços enfraqueceram desde que a Líbia, membro da Opep, reabriu seus portos no leste e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que Washington consideraria conceder perdão a alguns dos compradores de petróleo do Irã.

A retomada das exportações da Líbia permite o retorno de até 850.000 barris por dia de petróleo nos mercados internacionais.

O aumento da produção da Opep também pesou sobre os ânimos uma vez que o cartel do petróleo revelou na semana passada que seus membros aumentaram a produção no mês passado, o que foi liderado por um aumento na produção saudita para níveis não vistos desde o acordo de corte de produção em 2016, diminuindo as preocupações de que o mercado seria falta de óleo.

O maior exportador de petróleo do mundo e o maior produtor da Opep se comprometeu no mês passado a aumentar a produção para compensar a perda de oferta da Líbia, da Venezuela e do Irã.

No entanto, a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) alertou que o mundo estava aquém da capacidade de oferta de reposição e, portanto, qualquer nova perturbação poderia elevar ainda mais os preços do petróleo. A organização sediada em Paris também disse que a demanda por petróleo bruto será mais no segundo semestre do ano do que anteriormente esperado.

A referência norte-americana, o petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI), fechou cotado a US$ 71,01 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York na sexta-feira. O contrato caiu para US$ 69,23 o barril na quinta-feira, um nível não visto desde 25 de junho.

As perdas na semana foram de 4,4%, sua segunda semana seguida de perdas.

Do outro lado do Atlântico, o petróleo Brent, referência global, fechou a semana cotado a US$ 75,33 o barril na Bolsa de Futuros ICE (ICE Futures Exchange) em Londres.
O Brent sofreu uma queda na semana em torno de 2,9%.

Antes da semana que está por vir, a Investing.com  compilou uma lista com estes e outros eventos significativos que podem afetar o mercado de petróleo.

Terça-feira, 17 de julho
O Instituto Americano de Petróleo deverá publicar seu relatório semanal sobre a oferta de petróleo nos EUA.

Quarta-feira, 18 de julho
A Administração de Informações de Energia dos EUA deverá divulgar seus dados semanais sobre estoques de petróleo.

Sexta-feira, 20 de julho
A Baker Hughes divulgará seus dados semanais sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.   A contagem de sondas permaneceu estável em 863 na semana passada. A taxa de crescimento diminuiu ao longo do último mês com uma queda nos preços do petróleo do final de maio até o final de junho.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).