Na semana de 13/08 a 17/08 os preços do petróleo encerraram em posições de queda.

Cotação do Petróleo 20/08/2018

Na semana de 13/08 a 17/08 os preços do petróleo encerraram em posições de queda, em virtude do aumento inesperado de estoque de petróleo dos Estados Unidos.

O Brent (Londres) encerrou a ultima semana com queda de 1,32%, cotado a US$ 71,83/bpd. Acumulado do mês de Agosto/18 é de queda de 3,17%.

O WTI (EUA) encerrou a ultima semana com queda de 2,52%, cotado US$ 65,91/bpd. Acumulado do mês de Agosto/18 é de queda de 4,08%.

Veja o gráfico abaixo das movimentações do petróleo durante o mês de Agosto.

Segundo a Investing.com – Investidores de petróleo se manterão focados em uma série de fatores pessimistas que afetam o mercado da commodity na semana que se inicia depois que sua cotação registrou mais uma semana de perdas.

O petróleo WTI, dos EUA, registrou sua sétima queda semanal consecutiva na sexta-feira, marcando sua pior série de derrotas em três anos, caindo 2,5%.

Já o petróleo Brent, referência global, sofreu a sexta semana de queda em sete, caindo 1,3%.

As preocupações de que o excesso de oferta poderia pesar sobre o mercado norte-americano e de que uma disputa comercial entre os Estados Unidos e a China desaceleraria o crescimento econômico e prejudicaria a demanda por petróleo estiveram em primeiro plano recentemente.

Investidores disseram que a perspectiva de demanda por petróleo também estaria diminuindo devido a problemas econômicos na Turquia possivelmente se espalhando por mercados emergentes.

Relatos de aumentos mais rápidos de oferta dos principais produtores mundiais também estão pressionando o mercado após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros produtores de petróleo liderados pela Rússia terem concordado em junho em aliviar os cortes de produção para compensar a perda da oferta da Líbia, da Venezuela e do Irã.

O acordo efetivamente aumenta a produção de petróleo combinada em 1 milhão de barris por dia.

Em outro sinal preocupante, as empresas de energia dos EUA começaram a aumentar a produção nas últimas semanas, apontando para indicações do crescimento da produção dos EUA.

A contagem de sondas nos EUA, um indicador precoce da produção futura, permaneceu inalterada em 869 na semana passada, maior nível desde março de 2015, de acordo com a Baker Hughes, empresa prestadora de serviços a campos petrolíferos.

Apesar dessas preocupações, o mercado provavelmente obterá sustentação com a introdução de sanções dos EUA contra o Irã, que em novembro incluirão exportações de petróleo.

As sanções estão sendo restabelecidas depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abandonou o acordo nuclear com o Irã no início deste ano.

A produção do Irã foi a mais baixa desde abril do ano passado, com 3,75 milhões de barris por dia, com compradores no Japão, Coreia do Sul e Índia já reduzindo pedidos.

Antes da semana que está por vir, a Investing.com compilou uma lista com estes e outros eventos significativos que podem afetar o mercado de petróleo.

Novos dados semanais sobre os estoques comerciais de petróleo bruto nos EUA na terça e na quarta-feira para avaliar a força da demanda do maior consumidor de petróleo do mundo e a rapidez com que os níveis de produção continuarão a subir irão capturar a atenção do mercado.

Agentes do mercado também se concentrarão em dados semanais de contagem de sonda para sinais adicionais sobre a rapidez com que os níveis de saída dos EUA continuarão a subir.

Terça-feira, 21 de Agosto
O Instituto Americano de Petróleo deverá publicar seu relatório semanal sobre a oferta de petróleo nos EUA.

Quarta-feira, 22 de Agosto
A Administração de Informações de Energia dos EUA deverá divulgar seus dados semanais sobre estoques de petróleo.

Sexta-feira, 24 de Agosto
A Baker Hughes divulgará seus dados semanais sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).