Deputada governista quer limitar reajuste de combustíveis

A deputada Alê Silva (PSL/MG) protocolou o PL 5220/2019 para vedar o livre reajuste de preços de combustíveis pelo revendedor varejista enquanto durar o estoque adquirido pelo preço anterior. A proposta da deputada governista define que o revendedor só poderá fazer um reajuste de preço a cada vez em que receber novo volume da distribuidora. Pelas regras atuais, os reajustes dos combustíveis são livres, não sendo regulados pelo governo ou pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Em junho, a Petrobras divulgou uma revisão na sua política de preços para diesel e gasolina em suas refinarias e passou a fazer reajustes sem periodicidade definida. Até então, o diesel era reajustado em período não inferior a 15 dias e a gasolina, em até 15 dias. Segundo a estatal, os combustíveis seriam reajustados de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo.

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro reclamou do aumento no preço de combustíveis praticado pelos postos. Segundo ele, que citou o ataque de drones contra instalações petroleiras da Arábia Saudita, tem havido prática abusiva de elevação dos preços mesmo antes dos reajustes da Petrobras.

Bolsonaro chegou a afirmar, enquanto estava internado em São Paulo, que o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, não elevaria os preços naquele momento, por acreditar que a crise poderia ser amenizada.

Alê Silva reconhece que desde a implementação da nova política de preços da Petrobras, os valores cobrados pelos combustíveis automotivos subiram de forma expressiva e afirma que os consumidores brasileiros tem suportado aumentos sucessivos que ameaçam até mesmo a estabilidade nacional.

Prova disso, diz a parlamentar, foi a crise logística ocasionada pela greve dos caminhoneiros. Além de fatores externos, como a oscilação do real frente ao dólar e a cotação do barril do petróleo, Silva responsabiliza também os revendedores varejistas pela escalada de preços.

“Além de não repassarem as quedas de preços ao consumidor na mesma velocidade dos aumentos, podem repassar os aumentos de forma imediata, mesmo possuindo estoque adquirido a preços mais baixos”, critica a deputada. Para ela, a proposta de vedar reajustes enquanto durar o estoque permite o combate à cartelização.

Fonte: Epbr

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo fecha em baixa, com dólar forte após dados dos EUA e Irã no radar

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda, nesta sexta-feira, 12. A commodity chegou a subir logo no início do dia, mas não mostrou fôlego, com o movimento negativo reforçado após indicadores dos Estados Unidos fortalecerem o dólar. Além disso, a possibilidade de acordo nuclear com o Irã seguia no radar, com potencial para aumentar a oferta do óleo.

Petróleo encaminha ganhos acima de 3%, assegurando melhor marca das últimas três semanas

O preço do petróleo opera em queda nos momentos finais do pregão desta sexta-feira (12), com mercados menos preocupados com interrupções de fornecimento no Golfo do México e potencial de maior oferta vindo do Irã.

Os preços do petróleo caem à medida que as preocupações com a demanda persistem

Os preços do petróleo caíram na manhã de sexta-feira, apagando alguns ganhos, já que os traders continuam cautelosos em comprar o petróleo novamente.