A cotação média do diesel nas bombas atingiu 4,23 reais por litro nesta semana (Imagem: REUTERS/Ricardo Moraes)

O preço do diesel nos postos do Brasil subiu pela sexta semana consecutiva, enquanto gasolina e etanol também mantiveram tendência de alta, mostrou pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgada nesta sexta-feira, em momento em que o valor dos combustíveis tem sido alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro.

Conforme o levantamento da agência reguladora, a cotação média do diesel nas bombas atingiu 4,23 reais por litro nesta semana, alta de 1,1% em relação à semana anterior.

Os dados da pesquisa vêm dias após a entrada em vigor de uma suspensão temporária pelo governo da incidência do PIS/Cofins sobre o diesel, combustível mais consumido do Brasil, em tentativa de conter a alta dos preços.

Além do corte de impostos, o presidente Jair Bolsonaro também decidiu no mês passado indicar um novo presidente para a Petrobras, em meio a constantes queixas sobre a política de preços dos combustíveis da estatal no mandato do CEO Roberto Castello Branco, que vai até 20 de março.

Esta foi a sexta semana seguida de aumento no valor do diesel, que neste ano recuou em apenas uma ocasião, em meados de janeiro. No acumulado de 2021, o preço médio do diesel nos postos do Brasil tem alta de 16,4%, segundo a ANP.

O viés de alta também continua sendo verificado na gasolina, que engatou a 11ª semana consecutiva de elevação, atingindo uma média de 5,29 reais por litro nas bombas, para o consumidor final. O avanço na semana foi de 2,3%.

Agora, a gasolina figura em patamar 17,1% superior ao registrado no início de 2021.

Já o etanol, segundo a ANP, também subiu nesta semana com ganho de 6,9%, o preço médio nos postos foi a 3,898 reais por litro. Concorrente da gasolina, o biocombustível acumula alta de cerca de 22,5% em 2021.

Na última terça-feira, a Petrobras elevou os preços da gasolina e do diesel em cerca de 5%, o que fez com que ambos os combustíveis renovassem os maiores níveis em um ano nas refinarias da estatal.

A petroleira diz seguir uma política de preços de paridade de importação, que leva em conta fatores como as cotações do petróleo no mercado internacional e do dólar.

O petróleo Brent, referência global, tem operado próximo de máximas de um ano, impulsionado especialmente por um acordo de restrição de oferta da Opep+. Já a moeda norte-americana registrou nesta sexta-feira a terceira semana seguida de ganhos frente ao real, atingindo o maior patamar desde novembro.

Neste ano, os preços da gasolina nas refinarias da Petrobras já acumulam alta de 41,5%, enquanto o diesel soma ganho de 34%.

Os valores nos postos, no entanto, não acompanham necessariamente os reajustes nas refinarias e dependem de uma série de questões, incluindo margem de distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de biocombustíveis.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Reajustes da Petrobras ficaram aquém do necessário para eliminar defasagens, diz ABICOM

Os reajustes anunciados nesta terça-feira pela Petrobras para o diesel e gasolina ainda estão aquém do necessário para eliminar a defasagem para a referência internacional, informou a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom).

Preços do petróleo ampliam perdas com Texas prestes a retomar produção

Os preços do petróleo recuaram pelo segundo dia consecutivo nesta sexta-feira, afastando-se ainda mais de máximas recentes, à medida que empresas de energia do Texas começam a se preparar para reativar campos de óleo e gás paralisados pelo frio excessivo e pela falta de eletricidade.

Etanol despenca mais de 15% nas usinas sob pressão da fase vermelha e mais oferta

Na primeira quinzena do mês, as vendas de etanol nas usinas até que foram além do esperado, mesmo assim os preços caíram, com exceção da semana de 1 a 5.