Foto: RAFAELA FELICCIANO-METRÓPOLES

Até o momento, não foi publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo a revogação do decreto que aumenta as alíquotas do ICMS para insumos agrícolas. Mas, além disso, o setor produtivo está preocupado com outra questão: a falta do óleo diesel e etanol na pauta de derrubada do decreto do governo do estado.

Isso significa que, por enquanto, a taxa para os combustíveis vai passar de 12% para 13,3%, o que pode prejudicar a logística do setor produtivo. “O aumento do diesel prejudica porque ele é utilizado nas máquinas agrícolas e no transporte. A logística é penalizada com relação a isso. Também sabemos que há uma variação percentual em relação ao frete que é referente ao combustível e, se tivermos esse custo acima desse percentual com os 13%, todo o setor de transportes será penalizado”, disse Edeon Vaz, diretor-executivo do Movimento Pró-Logística.

Segundo Vaz, com essa mudança que vai pagar são os produtores e o consumidor final. “São Paulo é o maior produtor de insumos para todo o agro, desde defensivos, importação de fertilizantes, máquinas e equipamentos. Isso nos preocupa muito e pouco também em função da liderança São Paulo em relação a outros estados”, contou.
Autor/Veículo: Canal Rural

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Cadeia do etanol torce por reajuste cheio da gasolina para minimizar novo ICMS em SP

A cadeia do biocombustível de cana e milho está olhando com lupa…

Preço médio da gasolina nas bombas tem menor valor desde janeiro de 2018, diz ANP

Valor da gasolina recuou pela 17ª semana consecutiva; levantamento semanal também apurou queda no preço do diesel e do etanol.

Preço médio da gasolina nas bombas sobe quase 5% e encerra 2019 em R$ 4,55 por litro, segundo ANP

No fim de 2018, litro custava em média R$ 4,34. No ano, etanol foi o combustível que sofreu o maior reajuste, com alta de 11,5%.