Segundo levantamento da reguladora, o diesel atingiu patamar médio de 4,196 reais por litro nas bombas (Imagem: Pixabay)

O preço médio do diesel nos postos de combustíveis do Brasil registrou leve queda ao longo da última semana, enquanto os valores de gasolina e etanol subiram no período, indicou pesquisa publicada nesta sexta-feira pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo levantamento da reguladora, o diesel atingiu patamar médio de 4,196 reais por litro nas bombas, queda de 0,2% em relação à semana anterior, quando havia quebrado uma sequência de quatro recuos semanais consecutivos.

A gasolina, por sua vez, registrou alta de 0,44% na comparação com a pesquisa anterior da ANP, com o litro cotado em 5,465 reais.

Já o etanol, concorrente da gasolina nas bombas, apresentou o maior ganho no período, de cerca de 2,5%, atingindo preço médio de 3,908 reais por litro, o mais elevado desde meados de março.

Isso ocorre em meio a um início lento da safra de cana-de-açúcar, principal matéria-prima do biocombustível, no centro-sul do país. Segundo dados da associação Unica, a moagem de cana na primeira quinzena de abril ficou 30% abaixo da registrada em mesmo período de 2020, na região.

No mês de abril, de acordo com os dados publicados semanalmente pela ANP, o valor médio do óleo diesel acumulou queda de 0,75%. A gasolina subiu 0,25%, e o etanol apurou alta de 0,72%.

Os preços dos combustíveis têm se mantido no foco do país desde o início do ano, principalmente após ameaças de greve de caminhoneiros em fevereiro, o que levou o presidente Jair Bolsonaro a reduzir por dois meses –a partir de março– a incidência do PIS/Cofins sobre o produto.

Com o fim da medida previsto para esta sexta-feira, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) disse ter enviado ofício ao governo solicitando a prorrogação dos cortes, citando preocupações com “os custos que os caminhoneiros autônomos arcam com seus caminhões”.

Além da redução tributária na tentativa de conter a escalada do diesel, Bolsonaro também demitiu Roberto Castello Branco da presidência da Petrobras por divergências sobre a política de preços da estatal, que leva em conta fatores como o preço do petróleo no mercado internacional e a cotação do dólar.

A vaga de Castello Branco passou a ser ocupada pelo general Joaquim Silva e Luna. A petroleira anunciou nesta sexta-feira o primeiro reajuste de preços desde a chegada de Luna ao comando, com a redução do valor médio de diesel e gasolina em suas refinarias em 2% a partir de sábado.

Apesar desse movimento, o preço do diesel cobrado pela estatal ainda acumula ganho de 34% desde o início do ano, enquanto a gasolina vê salto de 40,7% no período.

Os preços nos postos não acompanham necessariamente e de imediato os valores nas refinarias, e dependem de uma série de fatores, incluindo impostos, mistura de biocombustíveis e margens de distribuição.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

ANP diz que cassou liminar que reduziu metas de CBios

As metas individuais revisadas para cada distribuidora só foram publicadas ao final de setembro pela reguladora ANP, após um processo de redução nas obrigações de compras de CBios motivado pela pandemia

Proposta de calamidade pode abrir caminho para governo desonerar combustíveis sem compensação

O Congresso discute a criação de uma cláusula de calamidade pública na Constituição que, caso acionada, dispensaria Executivo e Legislativo de apresentarem compensações orçamentárias ao criarem medidas que impactem as contas públicas.

Petróleo fecha em alta, em sessão volátil e apoiado pelo recuo do dólar

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta, nesta sexta-feira, 23. A commodity subiu no início do dia, mas perdeu fôlego e oscilou perto da estabilidade, com os riscos da covid-19 para a demanda no radar. Mais adiante, em meio a dados positivos dos Estados Unidos e ao enfraquecimento do dólar, o óleo voltou a ganhar força.

Indicado para Petrobras faz obra paga por Itaipu com orçamento em dólar e livre de fiscalizações

Indicado de Jair Bolsonaro para o cargo de novo presidente da Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna atualmente é diretor-geral da Itaipu Binacional.