Distribuidoras correm para cumprir metas do ano e CBios saltam R$ 15 desde 1º de setembro

Na medida em que o ano caminha para o último trimestre, as distribuidoras de combustíveis aceleram para fechar suas cotas anual obrigatórias de compra de Crédito de Descarbonização (CBios) e alimentam os preços de mercado.

Ao mesmo tempo os estoques dos títulos depositados na bolsa pelas produtoras de etanol superam a meta do RenovaBio para 2021, em 25 milhões, segundo dados apurados pela Unica, para compras compulsórios de 24,86 milhões. Corretora do mercado, informa, que os inventários ainda não chegaram a 22 milhões de CBios.

Do último registro na plataforma da B3 (B3SA3), dia 10, a média de preços de R$ 44 se mantém nesta terça (14), em viés de alta, já que vem subindo: saltou da casa dos R$ 26/27 desde 31 de agosto.

A valorização via demanda acontece mesmo com a comercialização de etanol avançando apenas 3% (total de 12,2 bilhões/litros) no acumulado da safra (abril-setembro) sobre o letárgico ano de 2020, segundo dados da Unica.

Na segunda quinzena de agosto, por exemplo, o recuo foi bem acentuado.

O número de negócios também está crescente.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.