Dólar fecha em queda de 0,95%, a R$5,2115

O dólar voltou a cair nesta quarta-feira e fechou na mínima em pouco mais de duas semanas, com o real mais uma vez liderando os ganhos entre as principais divisas globais, conforme captou o bom humor externo e viu novos ajustes após a forte pressão recente no mercado de câmbio.

O dólar à vista caiu 0,95%, a 5,2115 reais na venda, menor patamar desde o último dia 10 (5,1957 reais).

Neste pregão, a divisa variou de alta de 0,20% (a 5,2717 reais) a queda de 1,04% (para 5,2064 reais).

Com a baixa desta quarta, o dólar perdeu o suporte da média móvel linear de 100 dias (agora em 5,2547 reais), depois de na véspera deixar para trás a média de 200 dias (então em 5,3317 reais), potencialmente acionando ordens automáticas de venda da moeda, movimento que retroalimentaria o declínio da cotação.

Lá fora, o índice do dólar chegou ao fim da tarde perto das mínimas da sessão, que contou com novas pontuações máximas recordes para índices acionários dos EUA e mais uma alta do petróleo. (NPT)

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.