(Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

Em plena safra de cana-de-açúcar, o álcool combustível chegou às bombas no começo de maio com valores elevados. Segundo pesquisa da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), feita entre os dias 16 e 22 de maio, o preço médio do etanol na capital de São Paulo está em R$ 4,178, sendo que o preço máximo registrado ficou em R$ 4,999.

Normalmente, no período de colheita de cana e produção de álcool e açúcar, que dura de abril a novembro, o preço do etanol cai, mas não é o que está ocorrendo. Dentre os principais fatores que influenciam está o atraso da safra por causa da seca e maior produção de açúcar para suprir o mercado internacional.

“Estamos vendo uma coisa inédita”, diz José Alberto Paiva Gouveia, presidente do Sincopetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo). “Os produtores atrasaram um pouco a safra por causa da falta de chuva e a produção foi baixa, mesmo que os números sejam maiores que do ano passado”, explica.

Entre outros motivos para a disparada do valor do combustível está a valorização do açúcar no mercado internacional e o elevado preço da gasolina. “Um agravante é o alto preço do açúcar no nível internacional. Para os produtores é melhor fabricar açúcar do que etanol para venda externa”, diz ele.

“Além disso, depois de entregarem o limite mínimo de etanol ao governo, eles poderiam fazer a mais para gerar estoque e derrubar o preço, mas não aconteceu”, afirma Gouveia.

Outro fator importante a se ponderar é a alta da gasolina, segundo ele. “O problema da diferença de preço entre a gasolina e o etanol é sempre levado em consideração, e eles estão se aproveitando da fórmula de 70%”, ressalta o presidente do Sincopetro.

Nos dados mais recentes divulgados pelo Cepea-Esalq/USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo), os preços do mercado do etanol hidratado, que estava aquecido, começaram a se inverter no setor produtivo.

Além disso, o número de negócios e o volume comercializado caíram nos últimos dias, e o valor do álcool acompanhou esse movimento.

“A recente alta nas bombas, que acentuou a perda de competitividade do etanol hidratado frente à gasolina, reduziu a demanda pelo biocombustível, pressionando as cotações. Já a oferta do hidratado se elevou, aumentando a pressão sobre os valores”, diz o Cepea, à reportagem.

“Entre 17 e 21 de maio, o indicador do etanol hidratado fechou a R$ 2,9107/litro, recuo de 4,53% frente à média da semana anterior. A baixa mais expressiva desde o início da temporada 2021/22”, completa.

Apesar dessa queda, Gouveia não acredita em uma baixa nas bombas em um curto prazo. “O mercado do etanol é totalmente livre, não existe nenhum controle, assim como existe na gasolina e no diesel”, diz.

“Eu não estou vendo espaço para eles baixarem o preço. Lógico que a gente gostaria porque, como todo bom comerciante, eu quero ter preço barato para vender mais litros. Mas não vejo uma baixa significativa tão próxima”, destaca.

Disparada do etanol | Em São Paulo
Em plena safra de cana-de-açúcar, o etanol chegou às bombas no começo de maio com preço mais elevado
Em geral, no período de colheita de cana e produção de álcool e açúcar, que dura de abril a novembro, o valor do combustível cai
Principais motivos da alta

1 – Atraso na safra

Neste ano, houve um atraso na safra por causa da falta de chuva, que faz com que a cana renda menos e diminua a produção

2 – Mercado internacional

O preço do açúcar no mercado internacional está alto, então os produtores estão preferindo produzir açúcar do que etanol
Além disso, as usinas têm contratos internacionais para entregar açúcar, já fechados no ano passado, que sofreram atrasos

3 – Preço da gasolina

Com o preço da gasolina em alta neste início de ano, é comum que o valor do etanol nas bombas também suba
Confira o preço dos combustíveis

Pesquisa da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) feita entre os dias 16 e 22 de maio
Valor etanol (em R$)

Cidade de SP

Preço médio 4,178
Preço mínimo 3,799
Preço máximo 4,999
Estado de SP

Preço médio 4,176
Preço mínimo 3,199
Preço máximo 4,999
Valor da gasolina

Cidade de SP

Preço médio 5,402
Preço mínimo 4,899
Preço máximo 5,999
Estado de SP

Preço médio 5,374
Preço mínimo 4,597
Preço máximo 6,099
Indicadores estão caindo

Após duas semanas com o mercado do etanol hidratado aquecido, os preços começam a se inverter no setor produtivo, segundo o Cepea, da USP
O número de negócios e o volume comercializado caíram nos últimos dias, e o valor do álcool acompanhou esse movimento.

A recente alta nas bombas, que acentuou a perda de competitividade do etanol hidratado frente à gasolina, reduziu a demanda pelo biocombustível, pressionando as cotações.

Já a oferta se elevou; entre 17 e 21 de maio, o Indicador Cepea/Esalq do etanol hidratado fechou a R$ 2,9107 o litro.

O preço representa queda de 4,53% frente à média da semana anterior; essa é a baixa mais expressiva para o etanol desde o início da safra 2021/22

Fontes: ANP (Agência Nacional de Petróleo); Cepea-Esalq/USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo); e José Alberto Paiva Gouveia, presidente do Sincopetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo)​Autor/Veículo: Agora São Paulo.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Mercado vê alta do etanol na usina esta semana pondo em risco a vantagem

Até o encerramento dos negócios nesta sexta (4) com o etanol hidratado, agentes do mercado acreditam que a semana fechará com alta significativa do produto nas fábricas.

Preços do petróleo operam perto de US$ 70 com melhores perspectivas para demanda

Os preços do petróleo se firmavam nesta segunda-feira, com o Brent perto…

Shell dobrou lucros com comercialização de petróleo em 2020, para US$2,6 bi

A petroleira Royal Dutch Shell Royal (LON:RDSa) (SA:RDSA34) viu seus lucros com a comercialização de petróleo e produtos refinados dobrar em 2020 ante o ano anterior, para 2,6 bilhões de dólares, ajudando a compensar uma forte queda na demanda por combustíveis devido à pandemia do coronavírus.

ANP: produção diária de petróleo em dezembro foi de 3,525 mi de barris de óleo equivalente

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou nesta terça, 2, que a produção nacional em dezembro chegou a 3,525 milhões de barris de óleo equivalente por dia, sendo 2,726 MMbbl/d de petróleo e 127 MMm3/d de gás natural.