Equação da mobilidade é carro elétrico mais etanol, diz CEO da Unica

Evento no CTC reuniu represnetantes do setor sucroenergetico e da indústria automobilística (Foto: Unica)

O CEO da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Evandro Gussi, disse, nesta quarta-feira, 28, que a “equação” do futuro da mobilidade não é a do carro elétrico “versus” etanol, mas a do carro elétrico “mais” etanol.

Ao participar de reunião no Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), em Piracicaba (SP), ele reconheceu que o motor elétrico tem vantagens em relação ao motor a combustão. Ressaltou, no entanto, que ainda é preciso atentar para a origem da energia elétrica utilizada nos veículos.

“Se a minha geração de energia elétrica não é limpa, com baixa emissão de carbono, eu não resolvi o problema. O problema é o aquecimento global, não local. Se eu tirar a emissão do carro e mantiver a emissão ou aumentá-la em uma termoelétrica, isso não resolveu o problema”, explicou Gussi, de acordo com informe divulgado pelo CTC.

Conforme o CTC, o executivo destacou o papel do etanol como um dos principais agentes de descarbonização e sustentabilidade no mundo. E afirmou que nenhum país tem um modelo de transporte tão sustentável quanto o Brasil, onde o carro mais básico pode ser abastecido com o combustível, que tem na cana sua principal matéria-prima, mas que é produzido também com milho.

O presidente do Conselho de Administração da Copersucar e do CTC, Luis Roberto Pogetti, destacou a importância do trabalho da instituição, especialmente no desenvolvimento de novas tecnologias para a cadeia sucroenergética. Em sua avaliação, só o avanço tecnológico torna possível assegurar a oferta de energia limpa em condições competitivas.

“Entre os muitos desafios do setor sucroenergético, assegurar a oferta limpa e renovável em volumes e condições competitivas só é possível com o avanço tecnológico. E é justamente nesse sentido que o CTC vem atuando ao longo dos seus mais de 50 anos dedicados à pesquisa”, ressaltou, no relato da entidade.

A cana-de-açúcar é plantada, atualmente, em uma área de cerca de 10 milhões de hectares. E, de acordo com cálculos da própria indústria, a substituição da gasolina por etanol nos tanques dos veículos entre 2020 e 2035 representará a redução de 1 bilhão de toneladas em emissões de carbono.

Na visão do CTC, este futuro mais sustentável vem sendo construído com aumento da eficiência das usinas e com o aumento da produtividade da cana, o que está ligado ao desenvolvimento de novas tecnologias.

A instituição estima que, entre 2020 e 2035, os ganhos de rendimento de campo com suas plataformas tecnológicas deverá evitar o plantio de 30 milhões de hectares, além de economia de água e menor uso de agroquímicos. Desde 2017, o CTC obteve aprovação para comercializar variedades transgênicas de cana-de-açúcar, com tecnologia Bt e adaptadas a diversas regiões.

“Com a introdução da biotecnologia, trazemos à cana os mesmos benefícios já usufruídos por outras culturas, aqui no Brasil e no resto do mundo”, disse o CEO do CTC, Gustavo Leite. “Ao longo das próximas décadas, a adoção de sucessivas ondas de novas tecnologias elevará significativamente a produtividade e a produção de cana no Brasil, sem a necessidade de expansão da área plantada”, acrescentou.

A reunião no CTC, além de lideranças do setor sucroenergético e executivos da instituição, contou com a presença do CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si.

Fonte: Globo Rural

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).