Estados acusam Petrobras de propaganda enganosa sobre preço da gasolina

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) de Pernambuco, outros 10 estados e o Distrito Federal entraram com ação civil pública para remover do ar uma propaganda da Petrobras na qual a estatal argumenta não ser culpada pelas recentes altas no preço dos combustíveis, apesar de já ter subido o preço da gasolina em 51% só em 2021. Segundo o pedido, a publicidade é enganosa e “de má-fé”.

Recentemente, também foi divulgado um texto assinado pelo presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, que explora como é composto o preço da gasolina no Brasil. De acordo com as informações veiculadas pela distribuidora, ela recebe apenas R$ 2 dos R$ 6 pagos pelo consumidor.

Para os estados, a mensagem é “publicidade abusiva e que viola os princípios da transparência, confiança e boa-fé”. O problema estaria em “induzir” o cidadão a pensar que o litro da gasolina custa R$ 2, enquanto “o restante do preço, até chegar ao valor final, seja decorrente de tributos, em especial em razão da desproporcional ênfase dada à forma de incidência do ICMS”.

A ação diz que a comunicação da Petrobras foi tão danosa que, além de retirar o texto do ar, a Justiça deveria determinar que a empresa “produza publicidade suficiente para desfazer o malefício da publicidade enganosa por ela veiculada, bem como de esclarecer corretamente ao consumidor acerca da composição do valor da gasolina”.

O presidente Jair Bolsonaro tem repetido que a culpa pelo aumento dos combustíveis é do ICMS, mas o imposto estadual não mudou recentemente. O que vem subindo é o preço cobrado pela Petrobras nas refinarias.

Procurada pelo UOL, a Petrobras falou que “vai analisar o teor da ação e avaliar as medidas cabíveis”.

Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço da gasolina leva em consideração cinco partes: o preço do produtor (Petrobras e importadores), o pagamento do etanol (o combustível nos postos é 73% gasolina e o restante é etanol), tributos federais, Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e gastos com distribuição, transporte e revenda.

Petrobras já subiu gasolina em 51% em 2021

Dados oficiais mostram que o fator que mais pesou para o aumento do preço nos últimos meses não foi o ICMS, mas sim os reajustes feitos pela Petrobras. Desde o início do ano, a gasolina acumula alta de 51% nas refinarias.

Isso acontece porque a petroleira adota uma política de preços que acompanha a cotação do petróleo, em dólar, no mercado internacional. Quando o dólar e o petróleo sobem, os preços dos combustíveis sobem junto.

O imposto estadual compõe uma parte importante do valor que os motoristas pagam nos postos, mas os percentuais cobrados não sofreram alterações recentemente.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.