Estoques de petróleo caíram 4,1 milhões de barris na semana passada: EIA

Foto: Reuters/Richard Carson

Investing.com – Os estoques de petróleo dos EUA caíram mais do que o esperado na última semana, segundo dados da EIA nesta quarta-feira.

Os estoques de petróleo caíram 4,089 milhões de barris na semana passada, em comparação com as expectativas dos analistas de 2,928 milhões de barris.

Os estoques de destilados, que incluem diesel e óleo para aquecimento, caíram 3,088 milhões de barris na semana contra as expectativas de 435.000 barris, segundo os dados do EIA.

Os estoques de gasolina caíram 2,253 milhões de barris na semana passada em comparação com as expectativas de queda de 916.000 barris.

“Estas são tendências gerais que devem colaborar com o bull do petróleo depois do inesperado aumento dos estoques e a fraca demanda de gasolina”, disse o analista do Investing.com, Barani Krishnan.

Porém, os preços da commodity sofrem lentidão para reagir, provavelmente por causa dos ventos contrários vindos pela Covid e também pela cautela na espera do Fed. Nós devemos ter alguns movimentos consideráveis à medida que as negociações do dia avançam”.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.