Se o príncipe estiver certo, a Opep+ será capaz de elevar os preços agora e recuperar a participação de mercado mais tarde

(Bloomberg) — A Arábia Saudita acaba de fazer uma grande aposta de que os dias de glória do gás de xisto dos Estados Unidos, que transformaram o mapa energético global na última década, nunca mais voltarão.

Ao manter um controle rígido sobre a oferta na reunião de quinta-feira da aliança Opep+ de produtores de petróleo, o príncipe Abdulaziz bin Salman, ministro de Energia da Arábia Saudita, mostrou que está focado em elevar os preços – e confiante de que, desta vez, isso não incentivará produtores dos EUA a retomar a expansão e roubar participação de mercado.

A percepção vem carregada de uma boa dose de tensão diplomática: a Rússia, o parceiro mais importante da Arábia Saudita na Opep+, tentou convencer o governo de Riade por vários meses a aumentar a produção, temendo que a valorização dos preços do petróleo despertasse os produtores de gás de xisto. Mas os sauditas estão confiantes de que o setor nos EUA se reformou.

Se o príncipe estiver certo, a Opep+ será capaz de elevar os preços agora e recuperar a participação de mercado mais tarde, sem se preocupar com a saturação do mercado pelos rivais do Texas, Oklahoma e Dakota do Norte. Mas se o governo de Riade calculou mal – e já errou sobre o gás de xisto antes -, o perigo será a redução dos preços e da produção no longo prazo.

Os sauditas até agora convenceram os aliados de que a estratégia funcionará. Depois de uma rápida reunião virtual na quinta-feira, a Opep+ concordou em prolongar os cortes da produção, desafiando as expectativas de um aumento. A Rússia, no entanto, garantiu isenção para si mesma e para o Cazaquistão, e aumentará a produção marginalmente em abril.

Após a decisão, vários bancos atualizaram as previsões para os preços do petróleo: o Goldman Sachs aumentou as estimativas em US$ 5 – para US$ 75 no próximo trimestre e US$ 80 nos três meses seguintes.

“Esta é uma medida incrivelmente ousada por parte da Opep+ para estender o rali do preço do petróleo”, disse Regina Mayor, líder do setor de energia da KPMG Global.

Se a história servir de guia, entretanto, podem surgir problemas. A coalizão Opep+, que reúne Arábia Saudita, Rússia e quase duas dezenas de outros produtores de petróleo, subestimou no passado seus rivais americanos, que ano após ano produziram mais do que a maioria esperava. De uma mínima de menos de 7 milhões de barris por dia em 2007, a produção total de petróleo dos EUA mais do que dobrou para um recorde de quase 18 milhões de barris por dia no início de 2020, obrigando o cartel a ceder participação de mercado.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Na contramão de concorrentes, Petrobras quer deixar 7º maior mercado de combustíveis.

A Petrobras deu mais um passo na quarta-feira (26) em sua estratégia de concentrar seus negócios na exploração e produção e petróleo e gás e em cinco refinarias do Sudeste.

Distribuidoras na defensiva à espera da Opep tiram liquidez do etanol esta semana

Enquanto a Petrobras (PETR3; PETR4) aguardava a resolução da reunião dos países…

Número de CBios é suficiente para atender a 90% da meta do RenovaBio para 2020

Preço médio dos créditos se manteve acima de R$ 50 na segunda quinzena de outubro

Painel da Opep+ reduz projeção para crescimento da demanda por petróleo

A Opep+ reduziu projeções de crescimento da demanda por petróleo em 2021 em 300 mil barris por dia, o que reflete preocupações sobre a recuperação do mercado à medida que novos “lockdowns contra o coronavírus entram em vigor, segundo relatório de um painel de especialistas do grupo visto pela Reuters.