Imagem: Divulgação (Adobe Stock)

Sem uma direção clara do petróleo para a semana que se abre, e que possa indicar algum movimento da Petrobras (PETR3PETR4) sobre a gasolina, o etanol hidratado começa os negócios em baixa.

Por hora (8hs, de Brasília), o futuro do barril do Brent está em queda em Londres – 1,88/US$ 42,34 – com torcida para que assim fique.

Pela segunda semana seguida o combustível renovável recuou nas usinas, na pesquisa Cepea/Esalq. Na retrasada, 2,26%; na passada, menos agressivamente, 0,70%, entrando nesta segunda (21) a R$ 1,7616, livre de impostos e fretes.

A perda de preços do etanol já era esperada, depois que o óleo cru transitou entre US$ 39 e próximo do US$ 41 o barril, de 8 de setembro a 15, na bolsa de Londres, no contrato de novembro. E com três cortes seguidos da gasolina nas refinarias.

Entre a queda de braço com as distribuidoras e a necessidade de assegurar competitividade, as indústrias tiveram que ceder.

Afora as atenções quanto ao ritmo seguro da demanda global, sem que a pandemia dê muita trégua, o petróleo balança, também, entre as pressões da Líbia em aumentar a produção, em 1 milhão de barris por dia, e a da Arábia Saudita, pedindo para os aliados da Opep – além da Rússia e outros alinhados na Opep+ – seguirem com os cortes combinados.

O furacão Sally, nos Estados Unidos, prejudicou o bombeamento, mas isso é muito pontual.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Iraque reduz oferta de petróleo a várias refinarias indianas em 2021

O Iraque reduziu o fornecimento anual de petróleo Basra a várias refinarias indianas em até 20% para 2021, disseram fontes da indústria, em um raro movimento do segundo maior produtor da Opep, que está tentando atender suas obrigações sob o acordo de produção do grupo.

Redução da meta do RenovaBio ameaça ecossistema de inovação das energias renováveis, por Alessandro Gardemann

Enquanto o mundo caminha para ações cada vez mais sustentáveis, com empresas…

Opep e China surpreendem e anunciam acordo

As bolsas da Ásia e a maioria dos mercados europeus operam em alta, impulsionados por fatores locais e um acordo entre a China e a Opep.